eleicoes-2018

2013 não está perdido

Imprimir

Há exatos 4 anos, entre junho e julho de 2013, milhares de jovens saíram às ruas pedindo mudanças na política brasileira. Eles reivindicavam melhorias nos bens públicos oferecidos pelo Estado e o fim do sistema político corrupto. Suas reivindicações surtiram efeito imediato? Certamente não, é só ver os noticiários.

Ainda assim, valeu a pena a mobilização? De modo antecipado, posso dizer que sim. Essas manifestações foram simbólicas por terem sido protagonizadas por jovens nascidos no período da redemocratização do país, e por replicarem onda de protestos semelhantes que ocorriam pelo planeta, a exemplos do Occupy Wall Street e da Primavera Árabe.

Além disso, elas serviram para evidenciar a internet como elemento importante de promoção da cidadania e da participação política, haja vista que a mobilização foi iniciada nas redes sociais, em especial no Facebook e no Twitter.

Segundo a pesquisa “Sonho Brasileiro da Política” – desenvolvida em 2014, com a finalidade de aferir o que mudou de fato na participação política dos jovens – 61% dos jovens estão mais dispostos à participarem da política, seja se mobilizando ou se informando do que está ocorrendo.

A pesquisa igualmente apresenta que as manifestações trouxeram como mudança concreta a conexão em rede dos jovens, que passaram a criar iniciativas de engajamento voltadas para a produção de conteúdo político educativo e para a criação de plataformas de debate, que sirvam para a troca de experiências cidadãs e para o fomento de ideias de impacto positivo na política brasileira. São exemplos claros disso o projeto Politize! e o Café com Política, o qual eu tenho o prazer de coordenar.

Manifestações e eleições 2014

Não obstante a essas mudanças, no ano seguinte (2014), período de eleições federais e estaduais, vimos alguns vícios políticos se repetirem. Como ilustração, na Câmara dos Deputados ainda mandam os caciques políticos, que são representados por eles próprios e pela bancada dos parentes, formada por familiares dos políticos mais antigos, em especial os filhos. Com isso, seguem sub-representados as mulheres, os negros e os jovens que não são herdeiros de legado político. Presentes ainda estão, infelizmente, as mesmas práticas políticas que aqueles milhares de jovens diziam ser contra.

Mas, sejamos francos, dava para esperar que as manifestações de 2013 conseguissem impactar, sobremaneira, o cenário político a curto prazo? Evidente que não.

As mudanças na política são constituídas por processos mais demorados, que precisam envolver também os cidadãos de baixa renda, com menor escolaridade e interesse pela política. Afinal, são eles que constituem, em termos percentuais, o maior número de eleitores do país. Para tanto, promover o senso de participação política demanda ainda mais fomento de iniciativas de engajamento, centradas em facilitar a interpretação do que está acontecendo no cenário político.

E para as eleições de 2018, o que esperar?

Esses últimos quatro anos trouxeram mais maturidade à participação política dos cidadãos brasileiros. Hoje, não são apenas as manifestações de rua que marcam essa participação, estão presentes também inúmeras iniciativas de educação política e de promoção de plataformas de debate, recheadas de propostas que podem auxiliar na transformação do cenário político. Ou seja, os meios de ação política dos jovens estão mais difusos e pautados pela cultura hacker, com enfoque na criação de soluções para os problemas políticos presentes.

Mesmo assim, é arriscado afirmar que as eleições de 2018 serão um sucesso em termos de renovação política. Contudo, me arrisco a dizer que faremos melhor do que fizemos em 2014 – e assim sucessivamente. Conforme o título deste artigo, o legado de 2013 não está perdido e as mudanças que queremos virá de forma paulatina, porém progressiva.

Não podemos viver reféns do imediatismo

No mês de junho, estive em dois eventos que considero serem respostas democráticas às manifestações de 2013. No dia 20/06, participei de reunião na Comissão Especial de Reforma Política da Câmara dos Deputados. Estive lá para prestigiar o movimento Por uma Nova Democracia, que estava na Comissão para apresentar sua proposta de reforma política. O movimento reúne diversas entidades da sociedade civil, como o projeto Acredito, e defende uma pauta conjunta de propostas de renovação do cenário político.

Já no dia 22/06, o Café com Política realizou, na Câmara Legislativa do Distrito Federal, uma edição de debate com o tema “Reforma Política: que eleições queremos? Reunimos cerca de 30 pessoas, entre estudantes, jornalistas, analistas políticos, militantes partidários, servidores públicos e representantes de movimentos suprapartidários. Foram quase 3 horas de produtivo debate sobre as propostas de reforma política em tramitação, assim como sobre quais são as mudanças que os nossos participantes querem ver dentro do processo de reforma vigente. Para saber mais o que foi discutido no evento, leia nosso relatório ou assista ao debate, disponível em nosso canal no YouTube.

Saí de ambos os eventos esperançoso, pois vi reunidas gerações diversas, juntas com a finalidade de pensar o país. Como diz o amigo Everardo Aguiar, no seu excelente livro “Redes Sociais Locais”, política é afetividade e participação. Portanto, é bom ver que estas mobilizações em redes têm sido amadurecidas com vigor, ainda que seus frutos não sejam percebidos de forma instantânea.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais

Governabilidade do próximo presidente: condições e pressupostos


A palavra governabilidade refere-se às próprias condições substantivas ou materiais de exercício do poder e de legitimidade do Estado e do seu governo, ambas derivadas da postura governamental diante da sociedade civil e do mercado. Nessa perspectiva, a governabilidade diz respeito à autoridade política do Estado em si, entendida como a capacidade que este tem para agregar os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e apresentar-lhes um objetivo comum para os curto, médio e longo prazos, e depende da relação entre a autoridade e as instituições de governo, bem como do poder das instituições que a ele se opõem. Assim, a governabilidade estará ou não presente na medida em que haja apoio às políticas do governante e à sua capacidade de articular alianças e coalizões/pactos entre os diferentes grupos sócio-políticos para viabilizar o seu projeto de Estado e sociedade, conferindo-lhe legitimidade para implementar políticas. Para garantir a governabilidade, e evitar a paralisia ou o colapso das instituições e dos serviços públicos, é indispensável quatro tipos de estabilidade:  política, social, financeira e de gestão. A primeira estabilidade – a política – é crucial, pois tem relação direta com a legitimidade do governo. Ela depende, além da aceitação do resultado eleitoral, de apoio no Poder Legislativo, o lócus onde se forma a vontade normativa do Estado e o foro legítimo e apropriado para a solução das demandas da sociedade a serem traduzidas na forma de lei e de políticas públicas. Uma boa relação com o Poder Legislativo é fundamental porque quando o Congresso dispõe de agenda própria e diverge majoritariamente do programa do presidente eleito, e, no sistema político brasileiro, o Chefe do Poder Executivo só tem três alternativas: a) concordar com as propostas do Congresso, fazendo-as suas; b) obedecer, ou seja, aceitar a contragosto o que for aprovado, até porque o Congresso […]

Ler mais