eleicoes-2018

Safe pair of hands

Imprimir

O clima de apatia do povo brasileiro em relação ao futuro político do País contrasta com a insistente mobilização de certos setores da mídia e da sociedade, o que dá uma pista sobre o que queremos para 2018: um presidente que passe tranquilidade à sociedade.

Lula x Bolsonaro

No entanto, ao olharmos as pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, o que está sinalizado não nos transmite tranquilidade. O ex-presidente Lula (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), os líderes do momento, emanam incerteza. Lula é um enigma, pois usa de uma narrativa que remete ao candidato derrotado em 1998, na disputa contra Collor de Mello. Bolsonaro, à parte o discurso sobre segurança pública, não diz coisa com coisa.

Assim, onde está o “safe pair of hands” que o Brasil intimamente parece desejar? Não sei. O que sei é que os líderes de hoje podem não ser os mesmos do ano que vem. Lula está na dianteira, por outro lado lidera também o índice de rejeição. Suas vitórias anteriores decorreram de um discurso que não existe mais.

Bolsonaro é um produto das circunstâncias que, para se consolidar, terá que: a) não cometer erros; b) passar mensagens tranquilizadoras; e c) superar o imenso preconceito que sofre na imprensa. Paradoxalmente, ele só terá chances, na minha opinião, se chegar ao segundo turno disputando a cadeira presidencial com Lula.

Voltando ao tema central de minha reflexão: de quem será o par de mãos confiáveis para liderar o Brasil em 2019? Quatro nomes despontam como pré-candidatos: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP); o prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB-SP); o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD); e o apresentador de tevê Luciano Huck (sem partido). Para a maioria da população, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), por seu caráter histriônico, não entra na lista dos confiáveis.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (sem partido) é uma incógnita.

Em 2018 tudo pode acontecer

Um centro político desunido pode favorecer os candidatos dos extremos, em um fenômeno parecido com o que ocorreu na eleição municipal do Rio de Janeiro. No entanto, como a história se repete como farsa, tudo pode acontecer. O fato é que o cenário eleitoral para 2018 continua nublado.

E a incerteza aumenta por conta de fatores que tornam essas eleições bastante diferentes das anteriores e, em especial, do último páreo presidencial. O que muda? Quase tudo. Não haverá financiamento empresarial nas campanhas. As redes sociais serão muito mais importantes do que antes na divulgação de nomes e ideias. Seremos inundados por “fake news”. Teremos limites de gasto por tipo de candidatura.

Assim, a busca por um “safe pair of hands” está apenas começando. Mas parece ser a busca que a maioria dos eleitores desejará fazer a partir de agora. Principalmente se o ambiente econômico continuar a melhorar.

Publicado na IstoÉ em 24/11/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais