eleicoes-2018

Safe pair of hands

Imprimir

O clima de apatia do povo brasileiro em relação ao futuro político do País contrasta com a insistente mobilização de certos setores da mídia e da sociedade, o que dá uma pista sobre o que queremos para 2018: um presidente que passe tranquilidade à sociedade.

Lula x Bolsonaro

No entanto, ao olharmos as pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, o que está sinalizado não nos transmite tranquilidade. O ex-presidente Lula (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), os líderes do momento, emanam incerteza. Lula é um enigma, pois usa de uma narrativa que remete ao candidato derrotado em 1998, na disputa contra Collor de Mello. Bolsonaro, à parte o discurso sobre segurança pública, não diz coisa com coisa.

Assim, onde está o “safe pair of hands” que o Brasil intimamente parece desejar? Não sei. O que sei é que os líderes de hoje podem não ser os mesmos do ano que vem. Lula está na dianteira, por outro lado lidera também o índice de rejeição. Suas vitórias anteriores decorreram de um discurso que não existe mais.

Bolsonaro é um produto das circunstâncias que, para se consolidar, terá que: a) não cometer erros; b) passar mensagens tranquilizadoras; e c) superar o imenso preconceito que sofre na imprensa. Paradoxalmente, ele só terá chances, na minha opinião, se chegar ao segundo turno disputando a cadeira presidencial com Lula.

Voltando ao tema central de minha reflexão: de quem será o par de mãos confiáveis para liderar o Brasil em 2019? Quatro nomes despontam como pré-candidatos: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP); o prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB-SP); o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD); e o apresentador de tevê Luciano Huck (sem partido). Para a maioria da população, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), por seu caráter histriônico, não entra na lista dos confiáveis.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (sem partido) é uma incógnita.

Em 2018 tudo pode acontecer

Um centro político desunido pode favorecer os candidatos dos extremos, em um fenômeno parecido com o que ocorreu na eleição municipal do Rio de Janeiro. No entanto, como a história se repete como farsa, tudo pode acontecer. O fato é que o cenário eleitoral para 2018 continua nublado.

E a incerteza aumenta por conta de fatores que tornam essas eleições bastante diferentes das anteriores e, em especial, do último páreo presidencial. O que muda? Quase tudo. Não haverá financiamento empresarial nas campanhas. As redes sociais serão muito mais importantes do que antes na divulgação de nomes e ideias. Seremos inundados por “fake news”. Teremos limites de gasto por tipo de candidatura.

Assim, a busca por um “safe pair of hands” está apenas começando. Mas parece ser a busca que a maioria dos eleitores desejará fazer a partir de agora. Principalmente se o ambiente econômico continuar a melhorar.

Publicado na IstoÉ em 24/11/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais