dilma

O PT sai muito menor do que entrou

Imprimir

Em 2003, a posse de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da República erguia uma divisória imaginária na história do Brasil. Um ex-operário, líder de massas, à frente de um partido de esquerda nascido na luta contra a ditadura militar marcaria de forma indelével a história nativa.

A esperança numa nova forma de fazer política rivalizava com a desconfiança no fundamentalismo exalante da agremiação que, nos 23 anos anteriores, combatera todos que divergissem de sua cartilha. A conversão pragmática do PT aos ditames econômicos liberais derrubou, naquele momento, o receio que despertara.

Lula (2003-2010) produziu, então, transformação aparentemente definitiva nas políticas de Estado. Assim como a estabilidade da moeda, alicerçada por Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), a inclusão social tornou-se precípua em qualquer programa de governo. Não à toa, o presidente interino Michel Temer assegura que manterá os programas sociais.

Parafusos, nunca mais

Estava tudo muito bom, tudo muito bem, mas, parafraseando a Blitz, o PT não soube aproveitar a bonança. A tendência ao hegemonismo e à convicção de que seriam necessários mais mandatos para completar sua obra mitigaram princípios basilares do lulopetismo. Entre eles, a ética na política.

Estuários dos humores das ruas, as redações jornalísticas refletiam, em 2003, o sentimento de esperança na nova política. Mesmo colegas que desacreditavam na capacidade petista de gerenciar uma das maiores economias do mundo, assentiam que, no campo da ética, a sigla representava novidade na política brasileira. “Radicais, mas honestos”, sintetizavam.

Vencido o ceticismo, o partido tratou de assegurar a hegemonia, lambuzando-se com o poder. A convicção sectária de que seus bons propósitos tudo justificava conduziu a sigla à lenta degeneração. Dogmas – como o de que só o PT representa os pobres – justificavam os meios.

Com alianças cada vez mais largas, o partido foi afrouxando seus controles internos. Figuras deletérias passaram a compor a grei companheira.

O afrouxamento em relação à vigilância intransigente com o bem público estribou-se numa convicção e numa esperteza (ou fraqueza, se se optar por um eufemismo). A certeza, arraigada na esquerda, de que não é larápio o que surrupia para o bem da causa.

Já a esperteza é traço comum à parcela dos que ascendem ao poder. Se detém as chaves do erário, por que não se locupletar. E assim se fez.

Aparentemente alegórico, episódio da segunda metade dos anos 1990 prenunciava o que viria. Um conhecido deputado, ao participar de reunião da bancada petista, reconheceu que, acostumado aos prazeres que a vida parlamentar propiciava, não voltaria à lide operária “para apertar parafusos”. Não voltou.

A frouxidão moral desvelou-se em 2005, quando o Mensalão veio à tona. O sistema de desvio de recursos públicos mostrou que, afora arrecadar para a causa, cumulava-se vantagens pessoais.

Veio a Lava-Jato, e os milhões viraram bilhões. A operação policial sediada em Curitiba indicou que, do erário, partiam também os dinheiros que fomentavam cabedais de velhos e novos companheiros, como os grandes empreiteiros.

A mais maldita das heranças

Como ato derradeiro, e tendo a soberba como conselheira, o PT sucumbiu à imposição de sua maior liderança. Com a popularidade inflada, Lula fez de Dilma Rousseff (2011-2016) a presidente do Brasil.

Arrogante, ela desprezou a política. Incompetente, afundou o país na recessão. Nesta ordem. O vocativo imposto – “sim, senhora presidenta” – barrava o juízo crítico.

O naufrágio da economia sorveu empregos, a inflação controlada e os investimentos num torvelinho que ainda vivenciamos. Em paralelo, a ampla desilusão com a presidente que, para se reeleger, ludibriou eleitores.

O maior desastre, no entanto, foi o rebaixamento da política – a mais maldita das heranças. Quando ascendeu, o PT trouxe junto o sonho de que era possível exercer a vida pública com desprendimento franciscano e a convicção de idealistas.

À derrocada do projeto petista sobreveio o descrédito na política como mediação de conflitos e interesses divergentes. A melhor representação dessa decepção veio das multidões nas ruas a partir de 2013. Os manifestantes, incluindo eleitores de Dilma e Temer, rejeitavam a ambos.

Ao vergar seus propósitos à avareza, o PT traiu a confiança de que seus quadros eram integrados majoritariamente de militantes por princípio e não por políticos sem princípios. Desfigurou-se de tal forma a agremiação que restaram caricaturas, como a imagem patética, na última segunda, 9 de maio, do presidente interino da Câmara Baixa cercado pela soldadesca governista.

Em vez de encarar seus erros, Dilma – a contragosto aceita como títere do jus sperniandi petista – repete o mantra propagandístico de que é vítima de um golpe. Não reconhece a presidente deposta que a Suprema Corte favoreceu-a por meio de interpretações enviesadas da Constituição, como apontam juristas prestigiados.

Ela igualmente ignora que somente os muito mal avaliados são rejeitados pelo voto de 367 deputados federais e 55 senadores. Despreza que os parlamentares não se moveriam com tamanha desenvoltura não fossem empurrados pela legitimidade das ruas.

Desconhece a presidente que as denúncias contra seu governo partem de companheiros, e não de oposicionistas. Das imputações de gestão fiscal fraudulenta à grave acusação de que a mandatária sabia dos malfeitos.

Doravante, o PT perseverará, como fez com todos os antecessores, na sanha revanchista. Erguerá os punhos como se liderado fosse por José Pepe Mujica, ex-presidente uruguaio que fez política como missão, não para enricar.

Treze anos depois, desferido o golpe na esperança, o PT deixa o poder muito menor do que entrou. Se não repensar suas práticas e seus malfeitos, permanecerá em cena transmutado num partido ordinário.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais