brasil

A Justiça, Desesperadamente

Imprimir

Consentida e resignada perante a lei, a justiça como instituição é pedra, água, claridade. Até que a transgressão do indivíduo que a integra como membro diga o que entende por poder do poder judiciário. Muitos, atraídos pelas sombras do concurso público e as nomeações que não lhes vasculham a moral e os costumes, são hoje os que mais contribuem para a reprodução da injustiça e o bloqueio da transformação social.

Seus caminhos não foram feitos para todos percorrerem. Costuram uma ilegalidade na lei e a vestem como legal. Assim fizeram com os auxílios diversos que usufruem, como o despudor de receber para morar em casa própria.  Ou, outra barbaridade, a apropriação pessoal de dinheiro da União que os advogados do Estado se concedem ao tomar posse dos honorários de sucumbência quando sai vencedora a administração pública.  Aqui parece o fim do mundo!

O orçamento próprio obstrui a coalizão ética que torna os três poderes responsáveis pela sobrevida material da nação. Vivendo à margem das dificuldades da maioria dos funcionários públicos integrou-se à desigualdade social brasileira. Sua ferida é a escandalosa doença nacional do privilégio.

A desmistificação do “saber” de muito juíz, que contamina toda a carreira e atrai os sem vocação, deve ser feito não somente pela ética utilitarista que usa, mas pelo fundamento dela: as ilusões de que a primazia da responsabilidade perante a lei e a constituição pode ser prerrogativa de servidor cuja consciência profissional é adubada por condição econômica ficcional, fruto de sua própria outorga. Sem renovar suas diretrizes morais em relação ao impulso por gratificação o judiciário terá que cuidar de retirar, rapidamente, da singela noção de remuneração digna e transparente uma das qualidades da honra de um juiz.

Assim, o condicionante econômico nos juízes nunca irá amadurecer, pois continuará a ser o de um pária privilegiado que se autoconcede distinção, julgando os outros como não se julga.

Quem quiser entender a concretude da vida real brasileira, seus artefatos e figuras manipuladoras, concentre-se na “autoridade fenômeno”. Produção superficial comum na rotina política, vazou pelos buracos das contradições das forças econômicas, do mundo virtual que separou trabalho e emprego, e das relações de produção modernas fluidas e recicladas. O mau político, o mau juiz, o mau advogado da união, o mau promotor, cada um, de forma não arbitrária, contém um ao outro dentro de si. Sem se dar conta estão se tornando, por culpa do corporativismo  delirante que tomou conta da administração do Estado, o paroxismo do mau conceito de autoridade. Vistos na televisão com sua fantasia de autoridade, artistas de novela cavando a cratera do vulcão onde vive nosso distraído povo, percebemos o quanto a patologia da má influência tomou conta da elite do Estado.

O feudalismo judicial brasileiro, em sua banal cena primitiva, aproveita-se do país sem história em que nos tornamos e amplia a simulação da justiça. Cuidado: quem não fura a bolha da insignificância social não deve trapacear com a justiça. Quem fura, legal ou ilegalmente, se já não tiver uma alta autoridade a tiracolo será fácil encontrar uma para pôr no bolso.

Se alguém tem esperança de que o Brasil não viva a violência institucional que atormenta vizinhos e outras democracias ficcionais, observe bem o movimento em direção ao deserto que políticos andam fazendo, abraçados a juiz prêt-à-porter, para levar toda a justiça no bico e enterrar o Supremo junto com o princípio da igualdade de todos perante a lei.

O que está em discussão é se podemos interromper esta náusea conservadora, verdadeira erosão social, política, moral, econômica e cultural, um deserto de azulejo frio que limou o discernimento do país. É esse período de total transparência do mal, misturado com falsa prosperidade e aventureira facilidade, que pressiona a presidente do Supremo para afundar de vez a justiça na sua banalidade histórica: continuar manipulando um país injusto, desigual e totalmente autoritário. Onde qualquer cidadão, inclusive o Presidente da República, pode ser preso ou intimidado por um juiz pelo que lhe der na cabeça naquela hora, mas um condenado ilustre, ordena imperiosamente que seja convocada a reunião de todos os juízes, para que mudem a lei e a ajustem ao figurino do espantalho da democracia que somos.

 

*****

PAULO DELGADO é Sociólogo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais