brasil

A Justiça, Desesperadamente

Imprimir

Consentida e resignada perante a lei, a justiça como instituição é pedra, água, claridade. Até que a transgressão do indivíduo que a integra como membro diga o que entende por poder do poder judiciário. Muitos, atraídos pelas sombras do concurso público e as nomeações que não lhes vasculham a moral e os costumes, são hoje os que mais contribuem para a reprodução da injustiça e o bloqueio da transformação social.

Seus caminhos não foram feitos para todos percorrerem. Costuram uma ilegalidade na lei e a vestem como legal. Assim fizeram com os auxílios diversos que usufruem, como o despudor de receber para morar em casa própria.  Ou, outra barbaridade, a apropriação pessoal de dinheiro da União que os advogados do Estado se concedem ao tomar posse dos honorários de sucumbência quando sai vencedora a administração pública.  Aqui parece o fim do mundo!

O orçamento próprio obstrui a coalizão ética que torna os três poderes responsáveis pela sobrevida material da nação. Vivendo à margem das dificuldades da maioria dos funcionários públicos integrou-se à desigualdade social brasileira. Sua ferida é a escandalosa doença nacional do privilégio.

A desmistificação do “saber” de muito juíz, que contamina toda a carreira e atrai os sem vocação, deve ser feito não somente pela ética utilitarista que usa, mas pelo fundamento dela: as ilusões de que a primazia da responsabilidade perante a lei e a constituição pode ser prerrogativa de servidor cuja consciência profissional é adubada por condição econômica ficcional, fruto de sua própria outorga. Sem renovar suas diretrizes morais em relação ao impulso por gratificação o judiciário terá que cuidar de retirar, rapidamente, da singela noção de remuneração digna e transparente uma das qualidades da honra de um juiz.

Assim, o condicionante econômico nos juízes nunca irá amadurecer, pois continuará a ser o de um pária privilegiado que se autoconcede distinção, julgando os outros como não se julga.

Quem quiser entender a concretude da vida real brasileira, seus artefatos e figuras manipuladoras, concentre-se na “autoridade fenômeno”. Produção superficial comum na rotina política, vazou pelos buracos das contradições das forças econômicas, do mundo virtual que separou trabalho e emprego, e das relações de produção modernas fluidas e recicladas. O mau político, o mau juiz, o mau advogado da união, o mau promotor, cada um, de forma não arbitrária, contém um ao outro dentro de si. Sem se dar conta estão se tornando, por culpa do corporativismo  delirante que tomou conta da administração do Estado, o paroxismo do mau conceito de autoridade. Vistos na televisão com sua fantasia de autoridade, artistas de novela cavando a cratera do vulcão onde vive nosso distraído povo, percebemos o quanto a patologia da má influência tomou conta da elite do Estado.

O feudalismo judicial brasileiro, em sua banal cena primitiva, aproveita-se do país sem história em que nos tornamos e amplia a simulação da justiça. Cuidado: quem não fura a bolha da insignificância social não deve trapacear com a justiça. Quem fura, legal ou ilegalmente, se já não tiver uma alta autoridade a tiracolo será fácil encontrar uma para pôr no bolso.

Se alguém tem esperança de que o Brasil não viva a violência institucional que atormenta vizinhos e outras democracias ficcionais, observe bem o movimento em direção ao deserto que políticos andam fazendo, abraçados a juiz prêt-à-porter, para levar toda a justiça no bico e enterrar o Supremo junto com o princípio da igualdade de todos perante a lei.

O que está em discussão é se podemos interromper esta náusea conservadora, verdadeira erosão social, política, moral, econômica e cultural, um deserto de azulejo frio que limou o discernimento do país. É esse período de total transparência do mal, misturado com falsa prosperidade e aventureira facilidade, que pressiona a presidente do Supremo para afundar de vez a justiça na sua banalidade histórica: continuar manipulando um país injusto, desigual e totalmente autoritário. Onde qualquer cidadão, inclusive o Presidente da República, pode ser preso ou intimidado por um juiz pelo que lhe der na cabeça naquela hora, mas um condenado ilustre, ordena imperiosamente que seja convocada a reunião de todos os juízes, para que mudem a lei e a ajustem ao figurino do espantalho da democracia que somos.

 

*****

PAULO DELGADO é Sociólogo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para reflexão do potencial eleitor de Bolsonaro


Parcela do eleitorado – indignada com a situação do país, enfurecida com a corrupção e com a violência – tem sede de vingança. E esse sentimento aproxima essas pessoas do candidato Jair Messias Bolsonaro, que não faz outra coisa na vida a não ser reforçar esse sentimento de revolta nas pessoas. Quando um agente político identifica uma situação de desconforto e recomenda uma punição para os seus supostos responsáveis, esse gesto o aproxima das pessoas que estão incomodadas com a situação, fazendo-as imaginar que esse diagnóstico comum é suficiente para fazer dele (agente político) seu representante no Congresso ou no Poder Legislativo. O “messianismo”, ou a crença na vinda de um salvador ou redentor, caído do céu, imaculado e justiceiro, para libertar o povo de seus males, é um fato na cultura da Humanidade, mas, ao mesmo tempo, pode gerar a alienação dos indivíduos quanto a serem, eles mesmos, os agentes para a solução dos problemas identificados. O método adotado por Bolsonaro para sensibilizar seus apoiadores consiste em apontar problemas (criminalidade, corrupção, desemprego), indicar os supostos culpados (a esquerda, os comunistas, os malandros e corruptos), além de sugerir uma suposta solução (a punição, no caso a repressão, o encarceramento, o corte de direitos e serviços públicos, etc), numa construção que denota causa e efeito. Para potencializar e manter as pessoas presas a essa fórmula, utilizam as redes sociais para espalhar discórdia, mentiras e apontar fatos da realidade que chocam as pessoas. Existe um exército de mercenários, a serviço dos bolsonaristas, que alimenta, estimula e sustenta esse tipo de campanha permanente É o modo de comunicação troll, que provoca reações enfurecidas, estimula um comportamento de massas, manipula, maneja e molda as crenças e sentimentos das pessoas sem contar com o consentimento ou vontade consciente delas. Provoca os instintos mais primitivos do […]

Ler mais

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais