politica

Agenda positiva contra baixa popularidade

Imprimir

O resultado da última pesquisa CNT/MDA, que apontou o governo Michel Temer (PMDB) aprovado por apenas 10,3% dos entrevistados, levou o Palácio do Planalto a intensificar suas ações em favor de uma agenda positiva.

Apesar do otimismo de alguns setores com as expectativas positivas na economia, aliadas à estabilidade política que o governo conquistou no Congresso, com vitória em cerca de 88% das votações, a baixa popularidade do presidente pode aumentar o custo político para aprovar reformas impopulares que o Planalto tem pela frente, como a previdenciária e a tributária.

A construção da agenda positiva já começou a ser intensificada. Na semana passada, ocorreram os seguintes eventos que apontam nessa direção:

  • Temer sancionou lei sobre a reforma do Ensino Médio.
  • Foi anunciado o calendário de saques das contas inativas do FGTS, que lançará cerca de R$ 30 bilhões na economia e beneficiará milhões de pessoas.
  • O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu aumentar para R$ 1,5 milhão, até o fim do ano, o limite do valor do imóvel residencial que poderá ser adquirido com recursos do FGTS.
  • Chegou ao Congresso projeto que extingue gradualmente a multa de 10% que as empresas pagam na demissão sem justa causa de trabalhadores. Haverá uma redução de um ponto percentual a cada ano.
  • Antes disso, foram anunciadas mudanças no setor de cartões de crédito. Para baixar os juros, o governo determinou aos bancos que até o dia 3 de abril limitem o uso do rotativo – linha usada pelo cliente que não paga o valor integral da fatura – por 30 dias. Pelas novas regras, os clientes poderão ficar no rotativo, que tem as maiores taxas do mercado (484% ao ano) somente até a data da liquidação da fatura seguinte. Se a dívida não for paga, terá de ser transferida para outra modalidade de crédito, como o parcelado no cartão, com custo menor.
  • Também está em discussão o reajuste da tabela do imposto de renda.
  • Com o objetivo de agradar ao eleitorado de baixa renda, está sendo avaliada a possibilidade de reajuste no programa Bolsa Família. Quando o governo encaminhou o Orçamento de 2017 ao Congresso, previa-se um reajuste de 5%.
  • O início do ciclo de queda da taxa de juros e os sinais de recuperação da economia – queda do dólar, inflação, entre outros – certamente contribuem para o esforço governista.

Embora o governo esteja preocupado em lançar algumas medidas que possam agradar ao eleitorado, é pouco provável que haja excesso de medidas populistas. Por conta da agenda difícil no Congresso, outra preocupação do Planalto é evitar que a impopularidade acabe motivando uma onda de manifestações, daí a importância de se contrapor ao noticiário negativo.

Apesar do esforço do governo em reverter a baixa avaliação, a recuperação deve ser lenta e dependerá de uma retomada mais acentuada da economia. Os índices devem permanecer em patamares baixos até pelo menos meados do segundo semestre.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Menos violência & mais emprego, as armas de Bolsonaro


O capitão-mor Jair Bolsonaro vem antecipando, há quatro semanas, as políticas públicas do País a partir de 1º de janeiro, quando assumirá a presidência da República. Suas entrevistas e monólogos virtuais têm indicado o rumo para o meio ambiente, a política exterior e até a formulação das provas

Ler mais

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Mudanças regimentais contra o kit obstrução


Os partidos da base de apoio do governo Bolsonaro vão apresentar duas condições para apoiar um candidato para presidente da Câmara: a) identidade programática com a agenda governamental e b) disposição para promover mudanças no regimento interno e reduzir a capacidade de obstrução da oposição

Ler mais