ajuste

O ajuste fiscal em risco no Congresso

Imprimir

Além da Reforma da Previdência, há um conjunto de medidas provisórias com grande impacto no ajuste fiscal previstas para 2018. Juntas, elas somam R$ 35,4 bilhões. A resistência a elas entre os parlamentares pode, entretanto, reduzir essa receita.

A MP nº 805/17 adia o reajuste do funcionalismo público e aumenta a contribuição previdenciária dos servidores públicos de 11% para 14%. As categorias afetadas representam a elite da Esplanada dos Ministérios e elas estão se organizando para tentar derrubar a proposta em várias frentes.

A MP nº 806/17 aumenta o Imposto sobre a Renda incidente sobre as aplicações em fundos de investimento. Pela Constituição, a MP precisa ser convertida em lei até 31 de dezembro para valer em 2018. Se for aprovada apenas no próximo ano, o aumento só valerá a partir de 2019.

Mas onde o governo sofrerá a maior perda de arrecadação é na reoneração da folha de pagamento (PL 8.456/17). O governo calculava economizar cerca de R$ 10,036 bilhões em 2018. Entretanto, alguns setores devem ficar de fora do projeto. Além disso, no melhor cenário, a Câmara deve aprovar essa matéria até o fim do ano. No Senado, a aprovação pode ficar apenas para março. Por se tratar de contribuição, ela somente entra em vigor três meses após a sanção. Ou seja, a partir de julho. O impacto para 2018 pode ficar em torno de R$ 2 bilhões.

A seguir, veja a situação das principais propostas de ajuste fiscal sob análise da Câmara.

ajuste fiscal

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais