ajuste

O ajuste fiscal em risco no Congresso

Imprimir

Além da Reforma da Previdência, há um conjunto de medidas provisórias com grande impacto no ajuste fiscal previstas para 2018. Juntas, elas somam R$ 35,4 bilhões. A resistência a elas entre os parlamentares pode, entretanto, reduzir essa receita.

A MP nº 805/17 adia o reajuste do funcionalismo público e aumenta a contribuição previdenciária dos servidores públicos de 11% para 14%. As categorias afetadas representam a elite da Esplanada dos Ministérios e elas estão se organizando para tentar derrubar a proposta em várias frentes.

A MP nº 806/17 aumenta o Imposto sobre a Renda incidente sobre as aplicações em fundos de investimento. Pela Constituição, a MP precisa ser convertida em lei até 31 de dezembro para valer em 2018. Se for aprovada apenas no próximo ano, o aumento só valerá a partir de 2019.

Mas onde o governo sofrerá a maior perda de arrecadação é na reoneração da folha de pagamento (PL 8.456/17). O governo calculava economizar cerca de R$ 10,036 bilhões em 2018. Entretanto, alguns setores devem ficar de fora do projeto. Além disso, no melhor cenário, a Câmara deve aprovar essa matéria até o fim do ano. No Senado, a aprovação pode ficar apenas para março. Por se tratar de contribuição, ela somente entra em vigor três meses após a sanção. Ou seja, a partir de julho. O impacto para 2018 pode ficar em torno de R$ 2 bilhões.

A seguir, veja a situação das principais propostas de ajuste fiscal sob análise da Câmara.

ajuste fiscal

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais