ajuste

Preocupação com Previdência adia outros itens do ajuste

Imprimir

O foco do governo nas últimas semanas tem sido a Reforma da Previdência. Para aumentar o apoio ao tema, o presidente da República abriu negociações com os aliados sobre a Reforma Ministerial, promoveu uma série de reuniões com líderes e aliados e negociou a formatação de uma reforma mais enxuta.

Imposto de Renda 2018

Assim, o governo parece ter fechado os olhos para outros projetos também importantes para o ajuste fiscal de 2018. A Casa Civil não sabia, por exemplo, que a Medida Provisória nº 806/17, que trata do imposto de renda sobre fundos de tributação, tem que ser convertida em lei até 31 de dezembro de 2017 para que possa valer em 2018. A liderança do governo no Senado também não sabia. A tributação pode render ao governo R$ 6 bilhões no próximo ano.

Reoneração da folha

O projeto que trata da reoneração da folha de pagamento continua em discussão em uma Comissão Especial da Câmara (PL nº 8.456/17). O governo calculava economizar cerca de R$ 10,036 bilhões em 2018 com esse projeto. Entretanto, alguns setores devem ficar de fora. Além disso, no melhor cenário, a Câmara deve aprovar essa matéria apenas na segunda quinzena de dezembro. No Senado, a aprovação pode ficar apenas para março. Por se tratar de contribuição, somente entra em vigor três meses após a sanção, ou seja, a partir de julho. O impacto para 2018 pode ficar em torno de R$ 2 bilhões.

Reajuste dos servidores

Também encontra grande resistência entre os parlamentares a MP que adia o reajuste salarial dos servidores públicos, além de aumentar de 11% para 14% a contribuição previdenciária do setor. Sua comissão sequer foi instalada.

Esta semana, cinco medidas provisórias podem perder validade. Uma delas é a que institui um novo marco regulatório para a mineração. Na avaliação de líderes partidários, trata-se de uma demonstração de fragilidade do governo. Enquanto o Planalto busca o apoio de 308 votos para aprovar a Reforma da Previdência, não consegue dar conta de medidas provisórias que requerem apenas apoio de maioria simples para serem aprovadas.

Charge de Amorim para humorpolítico.com.br

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Menos violência & mais emprego, as armas de Bolsonaro


O capitão-mor Jair Bolsonaro vem antecipando, há quatro semanas, as políticas públicas do País a partir de 1º de janeiro, quando assumirá a presidência da República. Suas entrevistas e monólogos virtuais têm indicado o rumo para o meio ambiente, a política exterior e até a formulação das provas

Ler mais

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Mudanças regimentais contra o kit obstrução


Os partidos da base de apoio do governo Bolsonaro vão apresentar duas condições para apoiar um candidato para presidente da Câmara: a) identidade programática com a agenda governamental e b) disposição para promover mudanças no regimento interno e reduzir a capacidade de obstrução da oposição

Ler mais