estados

Alckmin sofre nova derrota interna no PSDB

Imprimir

Depois de ter sido obrigado a engolir a recondução do senador Aécio Neves (MG) à presidência nacional do PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sofreu uma nova derrota interna com a continuidade do deputado Pedro Tobias à frente do diretório estadual tucano. Tobias justificou sua permanência como presidente do PSDB por mais um ano alegando “preocupação” com a sucessão de 2018 ao Palácio dos Bandeirantes.

Por trás desse movimento interno que viabilizou a manutenção de Tobias no comando estadual da sigla está a preocupação com a aproximação de Alckmin com o PSB. Caso seja candidato à Presidência da República, o vice-governador Márcio França, do PSB, herdaria o Palácio dos Bandeirantes por cerca de nove meses, e muito provavelmente seria candidato a governador com o apoio de Alckmin.

O problema é que parte importante do PSDB nacional e estadual entende que os tucanos devem ter candidatura própria no estado que governam desde 1995. Por isso rejeita a articulação de Alckmin em favor do PSB e resolveu, através da continuidade de Tobias como presidente do partido em São Paulo, tentar frear os planos do governador.

No PSDB, o nome mais cotado para ser novamente candidato a governador de São Paulo é o do chanceler José Serra, que já governou o estado. Outras possibilidades são o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e o vice-prefeito Bruno Covas. Caso esteja bem avaliado em 2018, o atual prefeito de São Paulo, João Doria Junior também é mencionado como alternativa na bolsa de apostas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais