oposicao

Clipping: aliado de Temer é exonerado da presidência da Funasa

Imprimir

Aliado de Temer é exonerado da presidência da Funasa

A cinco dias da reunião do diretório nacional que definirá se o PMDB desembarcará ou não do governo federal, um aliado do vice-presidente da República e presidente nacional do partido, Michel Temer, foi exonerado pela presidente Dilma Rousseff. Antonio Henrique de Carvalho Pires diz ter sido ejetado da presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) por não aceitar trocar coordenadores da instituição para abrir espaço para indicações do PTN e do PMB. (Correio Braziliense)

Entenda o alcance da decisão do ministro Teori Zavascki

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, determinou anteontem que o juiz Sérgio Moro envie ao STF as investigações sobre o presidente Lula. Ele também determinou o sigilo das interceptações telefônicas, inclusive as divulgadas semana passada. Entenda a seguir o alcance da medida. (O Globo)

Ministros do STF dizem que impeachment não é golpe

Os ministros do STF Cármen Lúcia e Dias Toffoli disseram, nessa quarta-feira, 23, que impeachment não pode ser caracterizado como golpe. Questionada, ainda, se há politização da Lava Jato Cármen Lúcia respondeu: “Não. Estão sendo observadas rigorosamente a Constituição e as leis”. (Estadão)

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ira como conselheira


Uma parcela significativa dos eleitores que marcharam em direção às urnas no domingo, 7 de outubro, não carregou o estandarte da esperança. Confirmada a polarização apontada pelos oráculos modernos e vivenciada em velhos e novos palcos, os das ruas e redes sociais, os votantes apontaram sua ira

Ler mais

Um olhar crítico sobre as razões do impeachment de Dilma


Pelo menos sete episódios ajudaram a criar as condições para o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, sendo parte deles produto de erro político e parte decorrente da estratégia da oposição e de setores do mercado. Num eventual novo mandato do PT

Ler mais

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais