politica

A última vítima

Imprimir

O padre Gabriel Malagrida foi, em setembro de 1761, o último homem a ser executado pela Inquisição em Portugal. Morreu na fogueira. Ele, nascido na Lombardia, fez importante trabalho evangelizador na região que vai do Maranhão ao Pará. Tão importante que o papa João Paulo II, na Catedral de Nossa Senhora da Vitória, durante sua visita a São Luiz, em 1991, disse que ”o Maranhão foi o grande foco irradiador no Brasil na devoção ao Coração de Jesus, tão querida do povo, através do zelo do insigne missionário, fundador de obras e institutos religiosos, o padre Gabriel Malagrida”.

Pois é a história tem as suas ironias. Malagrida foi encarregado da grande honra de dar a extrema unção ao Rei D. João V, que morreu em 1750. Acompanhou a viúva, D. Mariana da Áustria, até seus últimos dias. Mas atribuiu o terremoto de Lisboa à devassidão dos humanos. E cometeu o pecado de brigar com o governador do Maranhão, Francisco Furtado, irmão do Marquês de Pombal. Foi preso, julgado e condenado por diversas penas de caráter religioso e uma bem específica: acusado de onanismo. Ou seja, aos 72 anos foi punido por supostamente se dedicar à masturbação. O Papa João Paulo II, na sua viagem ao Maranhão, o reabilitou dois séculos depois.

Brasil passado a limpo

O Brasil passa por uma rigorosa revisão interna. Houve muita roubalheira e corrupção nos últimos anos. A Procuradoria Geral da República, nos últimos tempos, assumiu o papel de grande protetor das leis e do povo. E decidiu limpar o país. O sofrimento purifica. Rodrigo Janot se distingue pela coragem, pela iniciativa e também pela audácia. Ele passou a ser ponto importante da política brasileira.

O exercício da política deixou o Congresso e passou a ser esgrimido nos tribunais. O recente julgamento da chapa Dilma-Temer foi visto pela televisão por todo o país. As pessoas deram os palpites mais desvairados. E xingamentos de vários matizes e diferentes graus de agressão foram postados nas redes sociais. A imprensa seguiu o caminho mais fácil. Aceitou sem maiores discussões os vazamentos seletivos. A imagem de Joesley Batista dizendo que deu dinheiro para fulano ou beltrano foi admitida como verdade final e definitiva. Desapareceu o contraditório.

É um caminho difícil. Há divisões profundas dentro da PGR. As investigações sobre a atuação do procurador Ângelo Goulart Villela, que está preso, são contraditórias. Ele é acusado de traição por colegas. Mas reage e acusa os que o acusam. A divisão é forte. E a corrida para sucessão de Rodrigo Janot perturba as investigações. O atual Procurador tem pressa para concluir seus trabalhos porque vai deixar o cargo no próximo dia 17 de setembro. Dificilmente será sucedido por alguém da sua turma. Michel Temer não deve prestar-lhe este favor.

A consequência é fazer o impossível para que sua rede de acusados pegue um número cada vez maior de pessoas. Os irmãos Friboi fizeram a parte deles. Denunciaram 1.893 pessoas, a maioria políticos. Marcelo Odebrecht apontou o dedo para mais de cem. Palocci está falando sem parar. Seu vomitório já produziu 16 anexos. O sistema financeiro está preocupado. O Banco Central baixou medida para proteger o mercado e colocar as investigações sob sigilo. O risco é provocar uma corrida bancária.

Tragédia anunciada

Aí aparece outro problema. Um número ainda não medido de delações permanecem em sigilo. Serão conhecidas, cedo ou tarde. São as que pegam empresários da indústria, do sistema financeiro, advogados, integrantes do poder judiciário em níveis variados. Todo delatado tem o direito de delatar. E assim a roda da desgraça social continua a rodar. Há muita água para passar debaixo dessas pontes. É um processo que não se encerra com facilidade. Algumas tragédias estão a caminho.

Os irmãos Wesley e Joesley Batista planejam vender empresas que somam R$ 8 bilhões no curto prazo. Dois ativos já estão em processo de venda: Vigor Alimentos, e as linhas de transmissão de energia. Além disso, analisam vender a Eldorado, empresa de celulose, a Alpargatas, dona das marcas Havaianas e Osklen, e a Flora, de produtos de limpeza. Pretendem manter com os negócios nos Estados Unidos que funcionam bem. Não respondem por nenhuma irregularidade. Cresceram com financiamentos do BNDES e deixaram o país. Belo golpe.

Outros não podem sair do Brasil. Restará a eles medidas extremas. O presidente Michel Temer armou uma boa defesa. Venceu no Tribunal Superior Eleitoral e deve vencer, novamente, se Janot denunciá-lo por intermédio da Câmara. Segurou a debandada do PSDB. Os deputados podem até não gostar de Temer, mas não têm nenhuma simpatia pelo Procurador Geral. Vai correr algum tempo até que alguém seja acusado da prática de onanismo ou bobagem parecida. E se torne a última vítima deste processo ensandecido.

Publicado no Correio Braziliense

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais