estados

Amazonino e Eduardo Braga disputam 2º turno no Amazonas

Imprimir

A eleição suplementar para escolha do novo governador do Amazonas classificou Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) para o segundo turno, que será realizado em 27 de agosto. Tanto Amazonino quanto Braga, que atualmente é senador, já governaram o Estado.

Amazonino Mendes, que tem o deputado estadual Bosco Saraiva (PSDB) como vice-governador, é apoiado pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB). Eduardo Braga, por sua vez, tem como parceiro de chapa o ex-deputado estadual Marcelo Ramos (PR), adversário político de Arthur.

Além da ida para o segundo turno de dois ex-governadores, ou seja, políticos tradicionais da política amazonense, vale destacar que o empenho do ex-presidente Lula (PT) em favor do candidato petista, o deputado estadual José Ricardo, não teve o efeito desejado, pois o representante do PT conquistou apenas 12% dos votos válidos, ficando em quarto lugar.

Disputa acirrada

O segundo turno no Amazonas promete ser bastante acirrado. Embora Amazonino Mendes tenha vencido Eduardo Braga por uma diferença superior a 13 pontos no primeiro turno, os votos da segunda colocada (deputada federal Rebecca Garcia) e do terceiro colocado (José Ricardo) tendem a migrar para o senador peemedebista no segundo turno. Apesar dessa vantagem de Eduardo Braga, a campanha no segundo turno será curta (apenas 20 dias), o que poderá ajudar Amazonino caso ele mantenha a vantagem conquistada no primeiro turno sobre Braga.

Braga não está alinhado com Temer

Vale registrar que embora Eduardo Braga pertença ao PMDB, partido do presidente da República, Michel Temer, o senador peemedebista não é politicamente alinhado com o Palácio do Planalto. Braga, que inclusive votou contra a Reforma Trabalhista, é próximo aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Kátia Abreu (PMDB-TO).

A vitória de Braga deixará o PMDB com o comando de oito estados, quase 1/3 dos governadores do país. Um diferencial importante para 2018. O PDT ficaria com dois.

Eleição suplementar

O Amazonas está realizando eleições suplementares depois que José Melo (PROS) e Henrique Oliveira (SD), governador e vice eleitos em 2014, foram cassados por compra de votos. Desde a cassação de Melo e Oliveira, ocorrida em 09 de maio, o Estado é governado pelo presidente da Assembleia Legislativa, David Almeida (PSD), que no primeiro turno da eleição suplementar apoiou Rebecca Garcia.

Quem vencer a disputa entre Amazonino Mendes e Eduardo Braga completará o mandato do atual governador. Ou seja, a gestão do eleito irá apenas até 31 de dezembro de 2018. O vencedor poderá ser candidato à reeleição nas eleições de 2018.

O primeiro turno das eleições no Amazonas traz algumas revelações importantes:

  1. O desencanto do eleitor com a política: 24% de abstenções;
  2. Não houve eleição do “novo”, foram para o segundo turno dois políticos tradicionais;
  3. A estrutura partidária será fundamental numa eleição sem financiamento empresarial;
  4. O PMDB, mesmo desgastado por conta da Lava-Jato, está no segundo turno.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais