politica

A agenda legislativa

Imprimir

Vencida a batalha no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que votou contra a cassação da chapa Dilma-Temer, criada para as eleições presidenciais de 2014, o governo de Michel Temer tentará retomar a agenda legislativa no Congresso Nacional. Por ora, a situação é de certo alívio e de relativa tranquilidade no Planalto. O governo sofreu algumas perdas, mas conseguiu preservar a maioria parlamentar de que dispõe. A manutenção desse apoio dependerá do surgimento ou não de fatos novos que possam comprometer o governo.

Aprovação das reformas

O grande desafio é a aprovação das reformas em curso. No caso da Reforma da Previdência, o quadro atual não permite uma previsão otimista. Antes mesmo da eclosão da crise política envolvendo o presidente, o governo já não dispunha dos 308 votos necessários para a sua aprovação, sendo que de lá para cá perdeu mais alguns. Portanto, o Palácio do Planalto deverá retomar a articulação para conquistar votos e tentar avançar com a proposta.

Devido à atual fragilidade do governo, a aprovação da matéria só será possível mediante agrados aos aliados (liberação de emendas orçamentárias e aprovação de outras propostas de interesse dos parlamentares) e novas concessões, o que reduzirá sensivelmente seus efeitos financeiros. O timing da votação dependerá da capacidade do governo de conquistar votos e produzir um entendimento que possibilite a retomada da análise da proposta.

Já com relação à Reforma Trabalhista, as coisas estão mais bem encaminhadas. O projeto já foi aprovado em uma comissão do Senado e a análise está na reta final. Um acordo construído com a oposição prevê conclusão da votação no fim de junho. Como se trata de matéria de lei ordinária que requer apenas maioria simples para aprovação, o governo dispõe dos votos necessários. Embora até então o texto tenha se mantido intacto, é possível que ocorra alguma alteração, o que faria com que a proposta retornasse à Câmara para análise final antes do envio à sanção presidencial.

Além das reformas, há outras propostas importantes na planilha palaciana. A mais imediata é a Medida Provisória nº 774/17, que acaba com a desoneração da folha de pagamentos das empresas. A equipe econômica conta com a aprovação da medida para incrementar a arrecadação. De outro lado, há forte pressão do empresariado pela manutenção do benefício. Esta semana será apresentado o parecer do relator à proposta.

Refis, LDO e LOA

Outra questão complexa é o Refis. Há duas MPs sobre o assunto. Uma trata da regularização de débitos tributários junto à Receita Federal e à Procuradoria da Fazenda Nacional (MP nº 783/17). A outra trata dos débitos não tributários junto a autarquias e empresas públicas (MP nº 780/17). Prevê-se uma queda de braço nesse tema, pois nas discussões sobre a MP nº 766/17, que tinha o mesmo objetivo e acabou perdendo validade por falta de acordo entre a base e o governo, ficou evidente a divergência entre os deputados e o Ministério da Fazenda. Os parlamentares pretendem suavizar ao máximo a cobrança das dívidas, o que contraria a expectativa da Fazenda em relação à arrecadação.

É preciso ainda dar andamento às leis orçamentárias. O governo encaminhou o projeto de lei de diretrizes orçamentárias (PLDO) de 2018, que até agora não andou. Se a matéria não for aprovada até 17 de julho, o Congresso não poderá entrar oficialmente em recesso. No segundo semestre, será encaminhado o projeto de lei orçamentária para 2018 (LOA). Este precisa ser aprovado até o fim do ano. Ambos são essenciais para consolidar a aplicação do teto de gastos públicos, decorrente da Emenda Constitucional nº 95/16.

Além desses itens, há vários outros cujo avanço necessita de grande esforço do Planalto. Num cenário de governo fragilizado, tocar essa agenda no Legislativo deverá demandar um alto custo político, limitando os resultados.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais