crise

As estruturas

Imprimir

O ano de 2016, que termina hoje, ofereceu as mais diversas visões do desastre político e econômico. Os brasileiros da escola de Macunaíma devem estar orgulhosos. O país produziu o maior escândalo de corrupção já verificado, catalogado e descoberto em qualquer outro ponto do planeta.

Mais uma vez o mundo se curva diante do gigantismo verde e amarelo. Ninguém segura o Brasil. No plano das coisas práticas, além da vergonha nacional, as diversas investigações fizeram vir à tona um gigantesco iceberg de corrupção.

A atuação da Odebrecht é realmente notável. A empresa, com rigor e objetividade, soube entrar nos governos de vários países latino-americanos e africanos. Produzir obras – no capítulo da engenharia a empresa baiana é conhecida por cumprir prazos e entregar o que promete – e distribuir propinas com a maior seletividade.

E chegou ao ponto de criar um departamento para realizar o pagamento certo à pessoa necessária. Está recebendo formalmente agora o troco. Sete países já anunciaram que vão tomar medidas contra a empreiteira.

Os países são México, Peru, Argentina, Colômbia, Equador e Venezuela. Essa lista não é importante. A empresa já pagou a quem poderia influenciar as decisões em seu próprio benefício. O crime já aconteceu. No Panamá, ao contrário, o governo decidiu não colaborar com as investigações. Elas poderiam alcançar o ex-presidente.

Impressiona é a organização da empresa baiana que montou estruturas em Portugal, Holanda, Áustria e Antígua para lavar dinheiro destinado justamente a seus apaniguados. Coisa de profissional. Naturalmente, os bancos, grandes ou pequenos, fizeram a sua parte nesta operação. Receberam pelo trabalho e se mantiveram silentes.

O sistema financeiro está no meio dessa gigantesca operação, que virou uma síntese do Brasil. A atuação da Odebrecht demonstra que há competência profissional no Brasil, gente qualificada e capaz. Também demonstra que o empresário brasileiro é audacioso. Promete e entrega o combinado.

No meio do caminho há propina que não é exclusividade nacional. É o agrado necessário. Os recursos apareceram e as obras explodiram em países da América Central e do Sul. Também em Angola e Moçambique, na África.

Trata-se de um exército poderoso, habilidoso e potencialmente perigoso. Capaz de desestabilizar governos. O caso do Equador é curioso porque a empresa foi expulsa do país por determinação do presidente da República. Dois anos depois retornou sem comemorações à sua antiga posição. Parece que a questão era somente de ajustar percentuais e beneficiários.

A Odebrecht construiu o metrô de Miami, mas lá não operou à sua maneira. Trabalhou by the book. Foi descoberta, no entanto, quando seus diretores utilizaram bancos norte-americanos para fazer suas transações.

Havia uma engrenagem perfeitamente azeitada em pleno funcionamento com tentáculos em diversos países na Europa, na África e nas Américas. Isso começou dentro do Brasil, quando os petistas perceberam que precisariam de muito dinheiro para manter sua maioria no Congresso Nacional. E mais ainda para realizar campanhas eleitorais capazes de vencer a oposição.

Eventuais sobras foram encaminhadas para os políticos mais poderosos dentro das legendas. Foi uma festa. As duas estruturas se encontraram e produziram o Brasil dos últimos doze anos. O que os brasileiros percebem hoje é o resultado da atuação sistemática de organizações poderosas.

Os governos petistas, com a sua política desenvolvimentista, a chamada nova matriz econômica, quebraram o país. Jogaram a Petrobras numa situação lamentável. Era a segunda maior empresa do mundo, em maio de 2008 (US$ 309 bilhões). Em janeiro de 2016, estava no 249º lugar entre as maiores do mundo (US$ 17.834 bilhões).

Incentivaram os governadores a gastar mais e forçar a elevação do consumo. O resultado está diante de todos: salários atrasadíssimos e o décimo terceiro que passou a ser vaga promessa. O Brasil perdeu tempo ouvindo platitudes de Dilma Rousseff e de seu ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O desemprego alcança cerca de 12 milhões de pessoas em condições de trabalhar. É um desastre de proporções bíblicas. E não há remédio que produza a reversão em curto prazo. Os governos de esquerda, na América Latina, curiosamente seguiram o mesmo caminho: todos estão com graves problemas de caixa.

A Argentina, por exemplo, vive uma recessão abissal. Aqui parece que o pesadelo está perto do fim. Há alguma chance de recuperação. O Brasil não vai acabar. E a nova geração trará novas e melhores ideias. Feliz 2017.

Publicado no Correio Braziliense em 31/12/2016

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais

Governabilidade do próximo presidente: condições e pressupostos


A palavra governabilidade refere-se às próprias condições substantivas ou materiais de exercício do poder e de legitimidade do Estado e do seu governo, ambas derivadas da postura governamental diante da sociedade civil e do mercado. Nessa perspectiva, a governabilidade diz respeito à autoridade política do Estado em si, entendida como a capacidade que este tem para agregar os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e apresentar-lhes um objetivo comum para os curto, médio e longo prazos, e depende da relação entre a autoridade e as instituições de governo, bem como do poder das instituições que a ele se opõem. Assim, a governabilidade estará ou não presente na medida em que haja apoio às políticas do governante e à sua capacidade de articular alianças e coalizões/pactos entre os diferentes grupos sócio-políticos para viabilizar o seu projeto de Estado e sociedade, conferindo-lhe legitimidade para implementar políticas. Para garantir a governabilidade, e evitar a paralisia ou o colapso das instituições e dos serviços públicos, é indispensável quatro tipos de estabilidade:  política, social, financeira e de gestão. A primeira estabilidade – a política – é crucial, pois tem relação direta com a legitimidade do governo. Ela depende, além da aceitação do resultado eleitoral, de apoio no Poder Legislativo, o lócus onde se forma a vontade normativa do Estado e o foro legítimo e apropriado para a solução das demandas da sociedade a serem traduzidas na forma de lei e de políticas públicas. Uma boa relação com o Poder Legislativo é fundamental porque quando o Congresso dispõe de agenda própria e diverge majoritariamente do programa do presidente eleito, e, no sistema político brasileiro, o Chefe do Poder Executivo só tem três alternativas: a) concordar com as propostas do Congresso, fazendo-as suas; b) obedecer, ou seja, aceitar a contragosto o que for aprovado, até porque o Congresso […]

Ler mais