michel-temer

Aumenta apoio a Temer em abril

Imprimir

Levantamento da Arko Advice mostra que aumentou de 47,66% em março para 51,11% em abril o apoio aos projetos de lei de interesse do governo na Câmara dos Deputados. Foram analisadas 29 votações nominais e abertas ocorridas no mês passado.

O aumento no percentual de adesão é fruto do esforço do governo de resolver pendências e demandas da base aliada para viabilizar a aprovação das reformas Trabalhista e Previdenciária.

Avanços na agenda presidencial

As principais matérias analisadas em abril foram o projeto de lei sobre a dívida dos estados e a Reforma Trabalhista. Utilizada pelo governo como um teste para a Reforma da Previdência, a trabalhista recebeu 296 votos favoráveis e 177 contrários. No caso da Previdência, por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), serão necessários 308 votos. A Reforma Trabalhista é um projeto de lei ordinária que requer apenas maioria simples (metade mais um dos presentes).

No mês passado, das 29 votações, o governo foi derrotado em duas. No dia 18 de abril, não conseguiu aprovar urgência para a Reforma Trabalhista. Teve 230 votos quando eram necessários 257. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu na época que havia errado ao encerrar a sessão antes que todos os deputados da base votassem.  Maia repetiu a votação na sessão seguinte, desta vez, com sucesso. Outra derrota importante aconteceu no projeto de lei sobre a dívida dos estados. Foi aprovada a retirado do texto da contrapartida exigida dos estados participantes da recuperação fiscal, que previa a elevação da alíquota da Previdência dos servidores estaduais para 14%.

Em abril, os cinco partidos mais fiéis ao governo foram PSDB (77,96%), PPS (74,56%), PV (73,21%), PMDB (73,10%) e DEM (72,68).

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A agenda de Temer: economia e reformas


Michel Temer aposta suas últimas fichas na Reforma da Previdência, enquanto seu partido, o PMDB, usa tempo de propaganda para falar da retomada do crescimento, defender as reformas e criar uma imagem do que será o legado do governo Temer.

Ler mais