distrito-federal

Brasília: da alvorada ao caos e vice-versa

Imprimir

Juscelino Kubitschek de Oliveira, senão por inúmeros atos de ousadia, ficou imortalizado pelo feliz pensamento:

“Deste Planalto Central, desta solidão que em breve se transformará em cérebro das mais altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada, com fé inquebrantável e uma confiança sem limites no seu grande destino”.

A residência oficial do presidente foi batizada por JK como Palácio da Alvorada. Quando questionado sobre o porquê do nome Alvorada, ele respondeu com uma pergunta: “Que é Brasília, senão a alvorada de um novo dia para o Brasil?”.

Brasília, cidade monumento

A Brasília da alvorada foi concebida na feliz parceria do genial urbanista Lucio Costa, do arquiteto inovador Oscar Niemeyer e do artista plástico e paisagista Roberto Burle Marx. O comentário do cosmonauta russo Yuri Gagarin, em 1961, ilustra a ousadia da cidade que nascia: “Tenho a sensação de estar desembarcando num planeta diferente, não na Terra”.

A arquitetura única no mundo fez da cidade o maior acervo a céu aberto da arquitetura moderna. Os amplos jardins e milhares de árvores plantadas respondiam pelo lado bucólico, mistura do verde salpicado de flores entre monumentos. Lembro com saudades da Brasília nas décadas de 1960 a 1980, uma cidade tranquila, com casas sem grades e trânsito civilizado onde acompanhávamos o crescimento das mangueiras, das paineiras, dos ipês e de outras árvores que transformavam a paisagem urbana.

Bons tempos, como descrito por Paulo Lyra no Correio Braziliense (1987), em que as famílias saíam da missa da Igreja Dom Bosco e iam passear na W3 Sul, então lugar de paquera. Um bom programa era pegar uma matinê no Cine Cultura, que ficava na 507 Sul.

Desigualdade social

Essa Brasília já não existe. O que vemos hoje é uma selvagem especulação imobiliária, puxadinhos por todo canto, uma crescente desigualdade social, trânsito caótico e violento, violência de diferentes tipologias, aumento de consumo de drogas, apagões, buracos para dar e vender, atendimento à saúde precário, educação deficiente e outros ingredientes que contribuem para baixar o nível da qualidade de vida e a consolidação do caos na capital de todos os brasileiros.

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Distrito Federal tem apresentado aumento da desigualdade social. Para o economista e cientista político Marcio Pochmann, essa tendência ocorre porque o crescimento populacional se dá na base da pirâmide social.

Redistribuição urbana

No entanto, esse caos pode ser revertido. O respeito à faixa de pedestre, introduzida em 1997, é motivo de inspiração para resgatar a utopia dos fundadores de Brasília. Essa conquista, baseada na educação, faz renascer a esperança de novas utopias que devem ser traduzidas em projetos de revisão urbanística e de inclusão social.

O geógrafo Aldo Paviani propõe a fórmula que possa levar à distribuição da qualidade de vida em toda área metropolitana de Brasília. Ele prega a descentralização das novas estruturas urbanas, criando postos de trabalho. Com essa descentralização virá a valorização dos espaços que serviram para abrigar antigos favelados, inquilinos de fundo de lotes e todos os que migraram sem condições de evoluir socialmente. A capital de todos os brasileiros pode retomar a sua missão, que é a de contribuir para a construção dos fundamentos de uma nova civilização com justiça social.

O caminho é a educação

O melhor caminho para a transformação do caos em uma nova alvorada é a educação, que, segundo Jean Piaget, tem como meta principal criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A inauguração do Museu de Educação de Brasília, na Candangolândia, que registra a inovação do ensino público introduzido por Anísio Teixeira, prevista para 21 de abril de 2014, poderá ser o símbolo da retomada da alvorada de nossa cidade.

Decidi escrever este artigo quando minha neta de 11 anos me contou que, a caminho da escola, se sentia feliz escutando a Alvorada de Carlos Gomes. Como acredito que a boa música inspira e energiza, sugiro que cada brasiliense, assim como minha neta, sintonize todos os dias, às 6h50 da manhã, a Brasília Super Rádio FM (89,9 MHz), do saudoso Mário Garófalo, e ouça a Alvorada da ópera Lo Shiavo, de Carlos Gomes. Certamente esse momento lúdico vai estimular em cada um de nós a vontade de construir uma nova alvorada para termos em Brasília um ambiente digno para as próximas gerações.

Publicado em UnB Futuro em 15/08/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais