economia

Caça da FAB, novo Gripen é apresentado na Suécia

Imprimir

O futuro caça da Força Aérea Brasileira (FAB), nova geração da aeronave Gripen foi apresentada na quarta-feira (18) em Linköping, na Suécia. Batizado de “Gripen E” pela fabricante sueca – Saab – o modelo tem a base da versão “Gripen NG”, escolhida pela FAB. Será dotado de equipamentos extras mais avançados que os escolhidos para a série selecionada pela Força Aérea da Suécia.

“O Gripen E reúne o conhecimento que a Saab acumulou nos em 70 anos no desenvolvimento de aeronaves”, afirmou Ulf Nilsson, vice-presidente da SAAB, ao apresentar o novo caça. “É um projeto com preço competitivo e muitas opções de personalização que podem se adequar às necessidades de qualquer força militar”.

A partir de 2019, a FAB deve começar a receber os primeiros Gripen da encomenda de 36 aeronaves feitas pela Aeronáutica, ao custo de US$ 5,4 bilhões. O contrato inclui transferência de tecnologia para o Brasil, com parte dos aparelhos construídos no Brasil, pela Embraer.

Em 2014, o governo brasileiro fechou acordo para a compra de 36 caças “Gripen NG”. Dos 36, 15 serão produzidos no Brasil. Para o comandante da Aeronáutica, o tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, “a aeronave Gripen é um divisor de águas para a indústria de defesa do país”.

 

Caça da FAB

O sistemas embarcados no Gripen NG, como a Saab chama a nova geração do avião, vão permitir o uso de mísseis ar-ar (de interceptação aérea) e ar-terra de médio e longo alcance orientados por radar, bombas “inteligentes” guiadas a laser, além de uma série de outros recursos, como sensores infra-vermelho de busca e equipamentos de guerra eletrônica, como perturbadores de radares e rádios.

O pacote de tecnologias para o Gripen NG escolhido pelo Brasil o torna mais avançado que a série selecionada pelos suecos. Além dos tanques de combustível internos de maior capacidade, o que exigiu a instalação de um trem de pouso mais robusto, o caça da FAB ainda terá um dos painéis de controle mais impressionantes da aviação militar.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais