eleicoes-2018

Não é notícia. É campanha

Imprimir

Enganou-se quem acreditou que, preocupados com a corrosão de suas chances na eleição do 2018, os tucanos haviam produzido um fato político destinado a unir o PSDB, com a designação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para a presidência do partido.

Vinte e quatro horas depois desse anúncio, a mídia de todos os gêneros estava lotada de notícias sobre uma nova modalidade de briga interna tucana – qual o melhor programa para o partido.

Impasse técnico: economistas versus políticos

Há um mês, os economistas da legenda, entre eles autores do Plano Real (o maior sucesso de combate à inflação e reeleição de um presidente), escreveram uma carta ao então presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati.

Propunham a defesa da “ética e de reformas com três eixos básicos: abertura da economia; desburocratização, no sentido de um estado a serviço do cidadão; e privatizações, com a retomada de um crescimento sustentável e equitativo”.

Mas para evitar a implosão do partido na convenção marcada para dezembro, o ex-presidente Fernando Henrique, que se mantém o cérebro do PSDB, interveio. Afastou Tasso e “nomeou” Geraldo Alckmin.

Diferentes visões dentro do tucanato

O braço econômico do governador, José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela (ITV), pôs na rua uma resposta àqueles tucanos históricos. De acordo com esse documento, o estado não deve ser “nem máximo, nem mínimo, pois esse é um falso dilema. Tem de ser musculoso, eficiente”.

O texto fala em “choque de capitalismo”, redução da máquina e estabelece a meta de dobrar a renda per capita dentro de 20 anos. Para os não especialistas, os dois programas querem dizer quase a mesma coisa, pois sua grande preocupação é com a questão social, um aspecto que jamais inquietou os tucanos, segundo seus críticos. Estaria aí a principal razão da derrota para o PT, que levou o tema ao extremo do populismo e com isso ganhou três eleições seguidas, ficando dez anos no poder.

Enganou-se de novo quem viu nos dois programas semelhança e alinhamento. Os economistas partidários de Fernando Henrique, que desfrutam de espaço nobre na mídia, patrocinaram um duro ataque ao texto do tucano José Aníbal, homem forte do time de Alckmin.

A economista Elena Landau, uma das autoras da proposta encampada por Tasso, fez uma frase demolidora: “É um discurso velho, cheio de platitudes. Quando cheguei na frase ‘nem estado mínimo, nem máximo, estado musculoso’, quase parei ali”.

Antecipação da campanha eleitoral de 2018

Essa nova querela, a saída do PSDB do governo Temer, a renúncia de Luciano Huck, a presença diária de Jair Bolsonaro na mídia falando de economia, a entrada do ministro Henrique Meirelles nas redes sociais e outros eventos crivados de fortes emoções políticas são, na verdade, a antecipação da campanha eleitoral de 2018 de uma forma que nunca se havia visto.

Segundo o TSE, como propaganda autorizada ela vai de 16 agosto a 30 de setembro, um prazo curto demais para os políticos tradicionais, que de forma muito lenta vão se adaptando à nova forma de fazer campanha pela internet.

Em entrevista ao Estadão, o economista Edmar Bacha, principal autógrafo do programa de governo submetido a Tasso Jereissati, explicou o que está acontecendo. “Acho que as pessoas ainda não se deram conta de que teremos uma eleição inglesa, o que eles chamam de “snap election”, no sentido de que, apesar de todo esse longo preâmbulo, de campanha mesmo serão 35 dias”.

Ele acha que as mensagens que chegarão até o Brasil profundo não serão mais os longos programas eleitorais, e sim os spots (anúncios de 30 segundos) na rádio e na TV. “Que tempo terá Marina, que tempo terá Bolsonaro? Zero! Quem vai ter tempo é o Lula. E o PSDB, se se aliar com mais três ou quatro”, raciocina o economista, agora travestido de estrategista político. Então, é tempo de fazer muito barulho na mídia.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais

Governabilidade do próximo presidente: condições e pressupostos


A palavra governabilidade refere-se às próprias condições substantivas ou materiais de exercício do poder e de legitimidade do Estado e do seu governo, ambas derivadas da postura governamental diante da sociedade civil e do mercado. Nessa perspectiva, a governabilidade diz respeito à autoridade política do Estado em si, entendida como a capacidade que este tem para agregar os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e apresentar-lhes um objetivo comum para os curto, médio e longo prazos, e depende da relação entre a autoridade e as instituições de governo, bem como do poder das instituições que a ele se opõem. Assim, a governabilidade estará ou não presente na medida em que haja apoio às políticas do governante e à sua capacidade de articular alianças e coalizões/pactos entre os diferentes grupos sócio-políticos para viabilizar o seu projeto de Estado e sociedade, conferindo-lhe legitimidade para implementar políticas. Para garantir a governabilidade, e evitar a paralisia ou o colapso das instituições e dos serviços públicos, é indispensável quatro tipos de estabilidade:  política, social, financeira e de gestão. A primeira estabilidade – a política – é crucial, pois tem relação direta com a legitimidade do governo. Ela depende, além da aceitação do resultado eleitoral, de apoio no Poder Legislativo, o lócus onde se forma a vontade normativa do Estado e o foro legítimo e apropriado para a solução das demandas da sociedade a serem traduzidas na forma de lei e de políticas públicas. Uma boa relação com o Poder Legislativo é fundamental porque quando o Congresso dispõe de agenda própria e diverge majoritariamente do programa do presidente eleito, e, no sistema político brasileiro, o Chefe do Poder Executivo só tem três alternativas: a) concordar com as propostas do Congresso, fazendo-as suas; b) obedecer, ou seja, aceitar a contragosto o que for aprovado, até porque o Congresso […]

Ler mais