politica

Câmara: cai o apoio ao governo em março

Imprimir

Levantamento realizado pela Arko Advice mostra que caiu o apoio ao governo do presidente Michel Temer na comparação entre fevereiro e março, quando passou de 55,95% para 47,66%. Foram analisadas 12 votações nominais e abertas na Câmara no mês passado.

O apoio registrado em março foi o segundo menor desde que Temer assumiu a Presidência, em maio do ano passado. A média mais baixa foi observada em dezembro (42,57%). Das 12 votações analisadas, o governo foi derrotado em duas. Na votação da MP nº 751/15, foi aprovada emenda do PT para aumentar de 10% para 20% a quantidade mínima de recursos do programa Cartão Reforma, destinado a residências na área rural. O governo foi contrário.

Outra tropeço foi na votação em segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permitia às universidades públicas cobrar por cursos de pós-graduação lato sensu. Eram necessários 308 votos para aprovar a medida e o governo conseguiu apenas 304.

Terceirização

Também surpreendeu o reduzido apoio obtido durante a análise do projeto de lei sobre terceirização – 231 votos a favor e 188 contrários. O placar representou alerta da base para o Palácio do Planalto de que há insatisfações entre os aliados.

Na avaliação partidária, o PMDB foi a segunda legenda que mais se ausentou nas votações de interesse do governo, com índice de não comparecimento de 35,01%. O partido perdeu somente para o PEN (38,88%). Com tantas ausências no PMDB, a legenda ocupa apenas a 11ª posição entre as mais fiéis ao governo.

Os cinco partidos com maior adesão aos projetos do Executivo são PRP (66,66%), PSDB (63,83%), PP (62,05%), SD (60,11%) e DEM (56,60%).

Outras reformas

As próximas reformas na agenda do governo são a reforma trabalhista e da previdência. Com o clima de incerteza causado pela divulgação da lista de políticos citados nas delações da Odebrecht, o governo deverá agir prontamente para garantir o avanço das matérias na Camara e no Senado.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais