eleicoes-2018

Campanha eleitoral

Imprimir

A direção da Agência Nacional de Aviação Civil decidiu recorrer da liminar concedida pelo juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal, de São Paulo, que atendeu ação do Ministério Público Federal contra a autarquia. Suspendeu a vigência de artigos da Resolução 400/2016, que permitia às companhias aéreas cobrarem pelo despacho de bagagens. Gratuita, só a pequena mala de até dez quilos.

Não está claro até agora que motivos levam uma agência reguladora a se envolver na economia das empresas aéreas com tamanho nível de detalhamento. É uma ação muito parecida com o que ocorreu no Congresso Nacional nos últimos anos. Uma generosa verba aqui ou ali e os deputados modificavam o sentido de projetos de lei ou de medidas provisórias. Na realidade, o ato de legislar passou a ser um mero arbitramento das ofertas dos lobistas. Quem oferecesse as melhores condições alcançava os devidos objetivos.

Não entendo nada de aviação. Não insinuo nada. Apenas achei esse negócio esquisito. Mas bastante parecido com o que tem ocorrido no Brasil. Os políticos, como se viu na famosa lista do Janot, estão todos envolvidos em caixa dois, lavagem de dinheiro e alguns deles com desvio de verbas públicas. Não há nenhum partido que possa se dizer inocente, virgem ou puro. Todos estão envolvidos de alguma maneira na confusão.

Campanha gera dinheiro e renda

Não é brincadeira. A água baixou e se percebeu que todos os políticos praticavam a caixa dois. Isso era conhecido. Método antigo de fazer política no Brasil. Tão antigo que alguns personagens preferiam fazer campanha, até mesmo para perder a eleição. A campanha gera dinheiro e renda. É um bom investimento. Às vezes, vencer uma eleição transforma-se numa obrigação infernal de atender eleitores trabalhar para ajudar prefeitos e coisa parecida. Melhor perder e recolher para suas contas em paraísos fiscais as sobras de campanha.

A crise desperta imagens e certezas que eram ignoradas. O Brasil é um país de milionários. Gente que ganha muito bem, tem negócios no exterior e sabe investir. Subitamente, novas fortunas foram reveladas. Quase todas construídas com base em generosos auxílios governamentais. Não há dinheiro para pagar salários, mas apenas o montante congelado de Sérgio Cabral ultrapassa duzentos milhões de reais. Vai quitar aposentadorias. Ainda vem mais por aí. A recuperação do desviado poderá ajudar o falido estado do Rio de Janeiro.

Efeito Odebrecht

As empreiteiras brasileiras são impressionantes. A Odebrecht está provocando problemas em dez países da América Latina. Os jornais europeus se referem à ela como a poderosa empresa brasileira. As outras grandes também são fortes. As principais obras nos países vizinhos foram conduzidas por elas. O presidente da época fazia o lobby, o BNDES emprestava o dinheiro, a empresa fazia negócios com os nativos e empurrava todo o pacote. Seria favorável ao Brasil se não houvesse corrupção.

As grandes empreiteiras deverão ser substituídas por empresas norte-americanas, chinesas, inglesas, francesas ou espanholas. Os métodos não serão muito diferentes dos utilizados pelos brasileiros. Mas elas respeitam a legislação dentro de seu próprio país. Não ultrapassam os limites. O objetivo é ganhar dinheiro, vender serviços, equipamentos e material para os compradores. Seus operadores sabem conduzir os negócios com competência.

O ano político de 2017 já acabou

Resta o Brasil. O desastre resultante da operação Lava Jato colocou os principais políticos no centro do palco. Os partidos políticos também. Este conjunto está liquidado. Não haverá solução sem profunda mudança. Não adianta protelar soluções. O sistema político fracassou. A invenção do voto em lista é uma operação de emergência sem qualquer sentido no Brasil. Foi utilizado na Alemanha Ocidental para manter a esquerda longe do poder na época da guerra fria. É o sonho de consumo do Partido dos Trabalhadores. Mantém a elite partidária no poder enquanto ela viver.

O problema é fazer com que o governo funcione apesar dos terremotos e das suas réplicas que vão tornar o noticiário político ainda mais policial. De certa forma, o ano político de 2017 já terminou. Restará a tentativa de votar reformas. E só. Não há maiores sonhos, nem projetos. O presidente Temer pode dizer que depois que Dilma foi passear pelo mundo a bolsa subiu 21%, o dólar caiu 9% e o risco Brasil se reduziu em 16,5%. Além disso, a inflação desabou e os juros estão em queda. É o que se pode comemorar. E começar a trabalhar nas futuras candidaturas, como o ex-presidente Lula está fazendo. Está em plena campanha.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais