eleicoes-2018

Um olhar otimista para 2018

Imprimir

Em 2017 ocorreram fatos que terão grande repercussão no futuro. Em termos globais a eleição de Trump está provocando a ameaça e a intensificação das guerras no planeta. No Brasil a falta de credibilidade dos 3 poderes da República ganha espaço. As reformas propostas intensificaram a cortina de fumaça que colocam em segundo plano a reforma agrária, o combate a injustiça social, a conquista de uma educação de qualidade para todos e um desenvolvimento que tenha como base a ciência, tecnologia e inovação. O que nos espera em 2018?

Política e Economia

Em 2018 as imagens vergonhosas de políticos e grandes empresários envolvidos em atos ilícitos deverá continuar e talvez se intensificar. Nesse ano eleitoral a sociedade na sua maioria está cansada e desapontada com os políticos e cada vez mais intolerante com a corrupção. É hora de reagir e agir. A expectativa de mudanças na atitude de nossos governantes nos três poderes: executivo, legislativo e judiciário é grande. A renovação é uma boa receita para a saúde da nação.

As eleições de 2018 podem abrir caminhos para a solução das crises e para o aperfeiçoamento democrático. Se elegermos políticos com dimensão de estadistas podemos a partir de 2019 recuperar a credibilidade dos nossos governantes construindo uma sociedade brasileira justa e feliz.

Não devemos cair na armadilha de vender a preço de banana os nossos ativos que nos levarão a perder a nossa soberania e como consequência sermos um país colonizado. É urgente a instalação da auditoria da dívida pública que é a grande barreira para o desenvolvimento brasileiro. Oxalá a auditoria seja instalada em 2018.

Devemos prestar atenção aos ensinamentos de Mia Couto:

“Não se pode governar um país como se a política fosse um quintal e a economia fosse um bazar. Ao avaliar um regime de governação precisamos, no entanto, de ir mais fundo e saber se as questões não provêm do regime mas do sistema e a cultura que esse sistema vai gerando. Pode-se mudar o governo e tudo continuará igual se mantivermos intacto o sistema de fazer economia, o sistema que administra os recursos da nossa sociedade”.

Esse pensamento converge com o pensamento de Betinho:

“Um país não muda pela sua economia, sua política e nem mesmo sua ciência, muda sim pela sua cultura”.

Saúde, Educação e Ciência e Tecnologia

Essas 3 dimensões são os pilares a serem restaurados em 2018. O Sistema Único de Saúde deve ser consolidado através do incremento de verbas e o aperfeiçoamento de sua gestão permitindo uma assistência de saúde eficiente e de qualidade a todos os brasileiros como prega a nossa Constituição.

Oxalá que durante o processo eleitoral de 2018 possamos dar os primeiros passos para iniciarmos uma reconstrução no sistema educacional brasileiro, desde a primeira infância até a pós-graduação. Será uma oportunidade para darmos um salto na aprendizagem de nossas crianças e jovens estimulando e ampliando experiências notáveis como a instalação da Comunidade de Aprendizagem do Paranoá no Distrito Federal, uma escola pública, que será comandada pelo educador José Pacheco, fundador da Escola da Ponte em Portugal. O fortalecimento das Universidades públicas, que atualmente sofrem ataques instrumentalizados com o corte de recursos, deve ser uma bandeira em 2018.

Oxalá que em 2018 e nos anos seguintes o sistema de Ciência e Tecnologia possa sair do atual retrocesso que compromete as atividades de pesquisas em todas as áreas do conhecimento. Projetos estão sendo desativados acompanhado de uma evasão de cérebros. É extremamente importante consolidarmos a nossa potencialidade na ciência, tecnologia e inovação para podermos ser um protagonista importante na economia do século 21.

É pertinente lembrar o pensamento de Sócrates: “A vida sem ciência é uma espécie de morte”. A ciência será o instrumento mais valioso para apontar os melhores caminhos virtuosos para um Brasil que sonhamos.

Lembremos o pensamento de Leonardo da Vinci: “Os que se encantam com a prática sem ciência são como timoneiros que entram no navio sem timão nem bússola, nunca tendo certeza de seu destino.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais