previdencia

Uma CPI no meio do caminho

Imprimir

Nos próximos dias, o senador Paulo Paim (PT-RS) deve dar entrada num pedido de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o sistema previdenciário do país. O senador conta com quase 40 assinaturas, número superior aos 27 subscritores necessários pra instalar uma CPI no Senado.

A empreitada conta com o apoio de entidades sindicais de servidores vinculados à Previdência e de outras carreiras do setor público. Paim acredita que a pressão desse movimento deve inibir senadores de retirarem apoio à criação da CPI.

O senador defende a investigação convencido da existência de superávit nas contas da Previdência e de algumas irregularidades na gestão dos recursos por parte do governo. Ele diz se basear em relatórios de auditores-fiscais, procuradores da Fazenda e até mesmo de informações disponíveis no Portal de Transparência.

Além da tentativa de desmontar o discurso do déficit previdenciário, um dos focos de Paim é apurar a concessão de anistias, desonerações ao setor privado, principais devedores e fraudes no sistema.

Paulo Paim articula a CPI em outras frentes. Também capitaneada por ele, a oposição na Câmara está coletando assinaturas, o que pode ensejar um requerimento para instalar uma comissão com o mesmo objetivo na Casa ou uma CPI mista, do Congresso, composta por deputados e senadores.

A possibilidade de uma CPI na Câmara é mais remota porque além da limitação regimental de funcionamento paralelo de comissões de inquérito (5 no máximo), o presidente da Casa exerce grande poder de controle sobre a criação desses colegiados, visto que há uma análise discricionária sobre o chamado “fato determinado”. Além de não haver prazo definido para a decisão, o presidente pode postergar e vetar a instalação caso entenda não haver materialidade no requerimento.

Porém, tanto no Senado quanto no Congresso, não há limite para criação de comissões. Geralmente, verificada a existência de 1/3 da composição de cada Casa, o presidente do Senado (que também preside o Congresso) manda publicar o despacho e autoriza a instalação.

Caso os líderes partidários não façam as indicações para composição da comissão, o presidente deverá fazê-lo de ofício, conforme precedentes com decisões do Supremo Tribunal Federal nesse sentido. Portanto, torna-se muito difícil para o governo conseguir barrar seu funcionamento.

A criação de uma CPI para investigar a Previdência ao mesmo tempo em que o Congresso analisa a reforma do sistema possui potencial para atrapalhar bastante os planos do governo. Em geral, nas CPIs, o embate político prevalece sobre discussões técnicas e ganham grande espaço na opinião pública.

É tudo que o governo não gostaria nesse momento. Afinal, a repetida máxima do saudoso Ulysses Guimarães sempre é apropriada: “CPI todo mundo sabe como começa, mas nunca sabe como termina”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais