crise

O estéril e histérico discurso da esquerda e direita reacionárias

Imprimir

A conjunção das crises política e econômica que vivenciamos não tem precedentes. Pelo menos para um país das dimensões territoriais, demográficas e econômicas do Brasil, e em tempos de paz.

Na economia, uma recessão de quase dois dígitos assola empregos e empresas numa proporção de tempos de guerra. Na política, uma devastação moral há muito conjecturada, mas nunca escancarada como agora.

A pregação da ruptura com o status quo passa a ser discurso dominante na enxurrada de manifestações da cidadania. Virtuais na forma, reais na disposição de romper “com tudo isto que está aí”.

Não restam dúvidas de que o melhor é varrer o sistema que nos governa e substituí-lo por outro, saneador, alinhado com padrões morais que convirjam para uma sociedade mais justa e com igualdade de oportunidades. O debate, no entanto, é angustiantemente inconcluso sobre a saída à derrocada que as autoridades da Nação – quase todas livremente eleitas, ressalte-se – nos conduziram.

Eis aqui o busílis. São muitas as saídas aventadas, mas nenhuma reúne simpatia ampla o suficiente para florescer. A melhor alternativa pode ser a confluência de distintas proposições.

Entre os empecilhos a uma possível concertação está a intolerância extremada das esquerdas e direitas reacionárias. Nem uma, tampouco a outra quer ouvir, argumentar, muito menos ceder. Apenas impor com histeria sua visão de mundo estéril, pois de único pensamento.

Assim, quando um pensador, mesmo alinhado, dispõe-se a pensar, saudável destacá-lo. Em meio a algaravia de imprecações de quem não quer ouvir, mas apenas colecionar likes de seus pares já convertidos, lê-se o ensaísta Luiz Sérgio Henriques n’O Estado de S. Paulo de domingo, 16.

Considerado um dos maiores estudiosos de Antonio Gramsci no Brasil, Henriques ataca os extremos e enaltece o argumento. A verve reflexiva que adota ao longo do texto reflui quando trata de sentenciar mal intrínseco dos antagonismos, ou seja, a exasperação da homofilia, “o amor ao que é igual a si mesmo e a aversão ao que é diferente”.

“Sair do círculo vicioso desta esquerda e desta direita, relegando-as às margens, será a missão dos democratas, sem exceção”, sentencia no parágrafo derradeiro. Henriques não o disse, mas se pode inferir: o caminho que leva à tolerância, essência da democracia, é extirpá-las pelo voto, pela argumentação equilibrada, pelo reconhecimento do direito de pensar diferente.

Combater o fundamentalista passa, também, por refrear a tentação hodierna e irrefletida de compartilhar, comentar e gostar de tudo que se lê. Por fim, o mais difícil de todos os exercícios intelectuais: reconhecer que quem pensa diferente pode estar certo.

Consensos requerem debate racional

 

Um bom caminho é se valer da razão em vez do arrebatamento.O liberal Pedro Malan, no espectro ideológico oposto, exemplificou como o debate genuíno pode levar a soluções consensuais.

Nos EUA da década de 1980, quando a percepção de que a crise na previdência era inescapável, uma comissão bipartidária (felizmente eles têm apenas dois partidos, certamente parte da receita de uma democracia estável) sentou-se para o diálogo. Na busca de uma alternativa de consenso, os primeiros passos adotados foram decisivos para o sucesso da empreitada.

“O primeiro foi delimitar com clareza o problema que estavam responsáveis por tratar”, descreveu o ex-ministro da Fazenda. “O segundo foi conseguir que todos concordassem com as dimensões numéricas do problema”.

Malan, então, aspeia uma máxima que poderia servir de parâmetro para nossas encalacradas contendas. “Todos têm o direito a desenvolver suas próprias opiniões, mas ninguém tem o direito de criar os próprios fatos“.

Eis uma receita de racionalidade e sensatez. Para alcançá-la, não tenha dúvida, um bom começo é relegar ao limbo os extremos deletérios que bloqueiam o difícil e inadiável debate sobre como aperfeiçoar nossa democracia. Sem ela, restará a tirania dos convertidos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais