ajuste

Desculpe o transtorno, estamos em reforma

Imprimir

O Brasil está em reforma. Os jornais anunciam todas as medidas necessárias e urgentes que o governo Temer necessita para levantar o país. A PEC dos Gastos é a mais importante, segundo o Planalto, pois vai definir o orçamento com que as outras questões serão resolvidas. Mas há ainda a Reforma da Previdência e do Ensino Médio, que são temas polêmicos. As pautas estão se encavalando na agenda de negociações entre Planalto e Congresso.

Segundo analistas, sem a aprovação da PEC dos Gastos o governo não conseguirá entregar a volta do crescimento econômico, prometida pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, da China aos Estados Unidos. No entanto, nem os ministros de Temer estão absolutamente certos de que o texto da PEC passará, sem emendas ou concessões por parte do governo. A base aliada tem se ampliado, mas ainda não firmou posição favorável à magnitude dos ajustes propostos. A tendência é que seja aprovada com modificações.

Apresentando muitos projetos simultâneos, como o teto do orçamento, a reforma previdenciária e a reforma na educação, o governo mostra serviço para a opinião pública, mas pode estar criando um atoleiro para os avanços da sua agenda política. Com tantas frentes diferentes para negociar, em temas tão diversos e igualmente importantes, fica complicado focar a atenção dos parlamentares no que é prioritário.

Os prazos são outro fator complicador pois não dependem da vontade do Executivo. O planalto apresentou a PEC dos Gastos em setembro, para que fosse analisada até o final de outubro e aprovada ainda em 2016. O recesso branco do Congresso, devido às eleições municipais pode estender os prazos para a PEC passar pelas casas e ser votada. Mais tempo sendo discutida, maior possibilidade de concessões e emendas.

O cenário atual é de uma certa paralização, seja por causa das eleições, pela quantidade de pautas ou pela falta de segurança na posição da maioria da base aliada. E isso já vimos em governos anteriores. Estamos em obras por tempo indeterminado. Tempo, no entanto, é algo que o governo de Michel Temer não tem.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais

A lógica do paternalismo e o Estado controlador


A influência que a esquerda exerce sobre as redações, a academia e o mundo artístico propaga conceitos ideológicos como se fossem verdades certificadas. Quem discorda é patrulhado por “especialistas” arregimentados pela mídia em geral – que, mais das vezes, busca quem confirme sua tese.

Ler mais