dilma

É a política, estúpido

Imprimir

Pode parecer cedo para tirar lições do impeachment de Dilma Rousseff. Mas, embora a duração do retrocesso socioeconômico que o país vive ainda seja desconhecida, é possível detectar erros que podem ser logo corrigidos.

No lugar da renitente mandatária, os brasileiros hoje espreitam a chegada de seu vice, Michel Temer. Nada há que esperar da presidente que, desdenhando de fundamentos econômicos, levou milhões ao desemprego, trouxe de volta a carestia, comprometeu gravemente o erário e abriu caminho à recessão. E, junto com seu entorno, destroçou a esperança na política – esta a mais nefasta de suas heranças.

O vice adentra esse cenário sem gerar esperanças – o que pode lhe ser positivo. Espera-se, o que já será muito, que inverta as expectativas atuais, colocando “o país na rota do crescimento”, como disse em entrevista recente ao SBT.

O que movem essas expectativas em relação a Temer, o virtual presidente da República interino, são suas diferenças com a colega da aliança PT-PMDB. A mais vistosa delas é o trato. Dilma adota a arrogância e o destempero com seus subordinados. Temer é obsequioso, longe e perto dos microfones.

Há, no entanto, um traço determinante que distancia ambos. A política. Enquanto a ex-guerrilheira a despreza, seu provável substituto vive dela.

Lula tem couro grosso

Alavancado por uma popularidade recorde depois de oito anos no comando do país, Luiz Inácio Lula da Silva confiou demais em sua maestria. Ao convencer o PT e aliados de que a gestora poderia se transformar numa boa presidente da República, Lula equivocou-se.

Primeiro, por que Dilma é má gestora. Segundo por que, na vida pública, não são gestores que fazem a boa política, mas políticos que fazem a boa gestão. Irônico, portanto, que o mais habilidoso político brasileiro desde Getúlio Vargas tenha desprezado a política.

Entre os traços vitais que caracterizam políticos está o couro grosso. Como definem os veteranos, ele é indispensável sobretudo aos que se pretendem líderes. Ou enrijecem sua têmpera, ou veem solapada sua carreira.

Quem, entre mortais, aceitaria reconciliar-se com o detrator de sua filha. Em 1989, na primeira corrida presidencial depois da ditadura, Fernando Collor divulgou no horário eleitoral depoimento da ex-namorada de Lula, Miriam Cordeiro. No vídeo, ela acusava Lula de “me oferecer dinheiro para abortar”.

Vinte anos depois, Lurian, a filha de Lula e Miriam, diante de uma foto do pai abraçando Collor, reconheceu que “tem que ter estômago”. Lula justificou: “Não fui eu que elegi ele. (…) Eu tenho que receber”.

A política salvou FHC e Lula

Quando a máxima é ignorada o castigo pode tardar, mas não falha. Em 2005, Roberto Jefferson, expoente do PTB – agora, de volta à ribalta -, moveu-se pelas vísceras em vez dos neurônios.

O ódio figadal por José Dirceu tornou Jefferson o principal denunciante do Mensalão. Levou Dirceu, artífice eminente da chegada do PT ao poder, ao calabouço. Jeferson, porém, sucumbiu com o inimigo, e também foi preso.

Dilma, em seus cinco anos e meio de estrelato, não construiu pontes. Ao contrário, dinamitou-as. Quando ainda detinha poder, ignorou aliados. Mesmo próceres do petismo tinham dificuldade para conversar com a mandatária. Dilma desprezou a política como mediação de conflitos e interesses divergentes.

Também Lula e Fernando Henrique Cardoso enfrentaram gravíssimas intempéries durante seus mandatos. FHC, em 1997, foi confrontado com a denúncia de compra de votos de parlamentares para aprovar a emenda constitucional que permitiria sua reeleição.

Apesar das evidências, o Congresso cedeu à proposta e FHC ganhou o direito de disputar (e ganhar) mais quatro anos de mandato presidencial. Em 1999, em seu segundo mandato, a Câmara rejeitaria por 342 votos a 100 pedido de impeachment proposto pelo PT.

Em 2005 foi a vez de Lula deparar-se com o pior momento de seus dois mandatos presidenciais. Acossado pelas denúncias de compra sistemática de votos parlamentares, o Mensalão, Lula desceu ao mais baixo nível de popularidade em oito anos como presidente, ameaçando sua reeleição.

O forte apoio que detinha no Parlamento, mais do que a indefinição oposicionista, salvou-o do impeachment que se avizinhava. Nos dois casos, Lula e FHC valeram-se de suas habilidades políticas para evitar o naufrágio de seus mandatos.

Igualmente não foram gestores que protagonizaram importantes mudanças na vida pública brasileira. José Serra, economista, garantiu ao Brasil o reconhecimento mundial no combate ao vírus HIV. Pragmático, o então ministro da Saúde confiou a petistas o DST-AIDS, encarregado do programa.

Foi Lula, torneiro mecânico, que fez da inclusão social política perene de estado. Sua aguda sensibilidade política levou-o, em 2003, a confiar a economia do país a ortodoxos, enquanto tratava do essencial: distribuir renda.

Getúlio Vargas, advogado, Juscelino Kubitschek, médico, Itamar Franco, engenheiro. Há exemplos a mancheias.

Política para profissionais

Michel Temer não tem a verve de Lula ou FHC. Mas, diferente de sua virtual antecessora, gosta e vive da política. As longas tertúlias a que tem se dedicado no Palácio do Jaburu não são novidades em sua agenda. Tampouco parecem provocar-lhe desconforto.

É muito cedo para decretar o sucesso ou o fracasso da gestão Temer. Mas é certo que a presidência da República, caso o Senado confirme o afastamento de Dilma, voltará a ser administrada por um político.

Essa é, talvez, a mais urgente lição a assimilar. Gestores competentes são indispensáveis, mas, na vida pública, devem submeter-se à política. Com ela é possível evitar ainda que aventureiros, sem respaldo orgânico na sociedade, cheguem ao poder.

Afinal, a política é para profissionais, não para amadores. Foi ela que faltou a Dilma Rousseff. É ela que pode orientar Temer nesse hiato da vida brasileira que caberá a ele conduzir.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O que é e para que serve a política


A política foi a forma que a civilização encontrou para mediar e resolver, de forma pacífica e negociada, os conflitos e contradições que os indivíduos, na sociedade, não podem nem devem resolver diretamente com fundamento na força, sob pena de retorno da barbárie.

Ler mais

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais