partidos

Disputa pelos dissidentes do PSB

Imprimir

A disputa por 14 deputados federais do PSB que têm votado com o Palácio do Planalto na Câmara dos Deputados gerou uma pequena divergência – já superada – entre o presidente da República, Michel Temer (PMDB), e o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Após Maia ter demonstrado interesse em atrair esses parlamentares socialistas para o DEM a fim de aumentar o peso da bancada de seu partido (que cresceria de 29 para 43 parlamentares), Temer convidou os dissidentes do PSB a se filiarem ao PMDB. Com essas possíveis adesões, a bancada peemedebista cresceria de 62 para 76 deputados.

Para evitar maiores problemas, na quarta-feira passada (19) Temer jantou com Maia e desmentiu a boataria de que o Planalto estaria agindo para evitar o fortalecimento do DEM. O jantar contou com a presença dos ministros das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), da Secretaria de Governo, Antonio Imbasshy (PSDB-BA), e da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE). O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), participou.

Esse pequeno “atrito” entre os aliados Temer e Maia mostra que o Planalto e sua base buscam se robustecer às vésperas da votação da denúncia movida pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente.

De um lado, Temer tenta angariar o maior número de votos em torno do PMDB para diminuir o custo da negociação com os demais partidos da base. De outro, Maia trabalha para o crescimento do DEM e a valorização do seu passe nessa importante e decisiva votação. Além disso, ao procurar atrair esses 14 parlamentares do PSB, Maia visa ampliar a força de seu partido. Vale recordar que está disponível no tabuleiro um espaço a ser ocupado no campo da centro-direita.

Com PMDB e PSDB desgastados e movimentos de rua ainda sem conseguir projetar uma liderança nacional de peso, como o Movimento Brasil Livre (MBL), Maia emite sinais de que deseja fortalecer o DEM nesse campo e recuperar parte do protagonismo perdido pela sigla após 2003.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais