partidos

Disputa pelos dissidentes do PSB

Imprimir

A disputa por 14 deputados federais do PSB que têm votado com o Palácio do Planalto na Câmara dos Deputados gerou uma pequena divergência – já superada – entre o presidente da República, Michel Temer (PMDB), e o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Após Maia ter demonstrado interesse em atrair esses parlamentares socialistas para o DEM a fim de aumentar o peso da bancada de seu partido (que cresceria de 29 para 43 parlamentares), Temer convidou os dissidentes do PSB a se filiarem ao PMDB. Com essas possíveis adesões, a bancada peemedebista cresceria de 62 para 76 deputados.

Para evitar maiores problemas, na quarta-feira passada (19) Temer jantou com Maia e desmentiu a boataria de que o Planalto estaria agindo para evitar o fortalecimento do DEM. O jantar contou com a presença dos ministros das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), da Secretaria de Governo, Antonio Imbasshy (PSDB-BA), e da Educação, Mendonça Filho (DEM-PE). O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), participou.

Esse pequeno “atrito” entre os aliados Temer e Maia mostra que o Planalto e sua base buscam se robustecer às vésperas da votação da denúncia movida pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente.

De um lado, Temer tenta angariar o maior número de votos em torno do PMDB para diminuir o custo da negociação com os demais partidos da base. De outro, Maia trabalha para o crescimento do DEM e a valorização do seu passe nessa importante e decisiva votação. Além disso, ao procurar atrair esses 14 parlamentares do PSB, Maia visa ampliar a força de seu partido. Vale recordar que está disponível no tabuleiro um espaço a ser ocupado no campo da centro-direita.

Com PMDB e PSDB desgastados e movimentos de rua ainda sem conseguir projetar uma liderança nacional de peso, como o Movimento Brasil Livre (MBL), Maia emite sinais de que deseja fortalecer o DEM nesse campo e recuperar parte do protagonismo perdido pela sigla após 2003.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais