estados

Doria começa gestão bem avaliado

Imprimir

O prefeito de São Paulo (SP), João Doria Júnior (PSDB), começa sua administração com alta popularidade, apontou o instituto Datafolha. Após um mês no comando da capital paulista, a gestão Doria é avaliada positivamente (ótimo/bom) por 44% dos entrevistados. Para 33%, a administração é regular, enquanto apenas 13% tem uma avaliação negativa (ruim/péssimo) do prefeito. 10% não sabem avaliar.

Doria é aprovado em todas as faixas de renda, mas se destaca entre os paulistanos com maior poder aquisitivo. Entre os entrevistados com renda mensal acima de 10 salários mínimos, a aprovação do prefeito atinge 66%. Já entre os entrevistados com renda de até 2 salários, a avaliação positiva de Doria cai para 35%. Nesse segmento, o prefeito é desaprovado por 20%, enquanto entre os paulistanos com mais de 10 salários, o índice soma apenas 10%.

A boa avaliação de João Doria Júnior é consequência da aceitação a sua agenda. Segundo o Datafolha, 59% são favoráveis ao programa Cidade Linda, que propõe um enfrentamento às pichações na cidade, carro-chefe da atual administração.

Por outro lado, 85% também são favoráveis ao chamado grafite. A aprovação a essa arte levou Doria a recuar após determinar que os grafites na avenida 23 de maio fossem apagados. De acordo com a pesquisa, 65% dos entrevistados avaliam que o prefeito agiu mal naquela oportunidade.

O aumento da velocidade máxima nas marginais também é aprovado (57% é a favor, enquanto apenas 37% são contrários). O programa Corujão da Saúde também é amplamente aprovado (67%).

Essa agenda proposta por Doria, chamada pelo prefeito de zeladoria, tem ajudado o tucano a ganhar uma grande visibilidade na cidade. Doria tem lançado mão de uma extensa agenda de trabalho, que começa as 7 horas da manhã, além de atividade midiáticas, apresentando-se aos paulistanos como um trabalhador a favor da cidade. Esses movimentos estão sintonizados com a imagem projetada por Doria na campanha eleitoral do ano passado, quando se apresentou como “João Trabalhador”.

Para registrar essa marca, além da intensa movimentação pela cidade, o prefeito utiliza suas redes sociais com frequência, divulgando visitas aos hospitais e as intervenções com roupas de gari.

Além da imagem de trabalhador, Doria se beneficia por ser um habilidoso comunicador. A estratégia do prefeito nesses primeiros dias de gestão também se opõem a chamada política tradicional, o que leva a comparações com o ex-presidente da República e ex-prefeito Jânio Quadros.

O próximo passo da fase de “lua-de-mel” de Doria com os paulistanos é avançar no programa de privatizações. O prefeito enviará, em breve, para a Câmara Municipal, as primeiras ações do chamado programa de Desestatizações, que prevê as vendas do Anhembi, Autódromo de Interlagos e da gestão do Bilhete Único (cartão eletrônico usado para o pagamento de grande parte nas viagens de ônibus na capital paulista) para iniciativa privada, além do Estádio do Pacaembu em regime de concessão.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais