politica

São Paulo: Doria segue bem avaliado, mas perde pontos na periferia

Imprimir

 Apesar da polêmica operação policial realizada na Cracolândia, que gerou uma repercussão negativa nos meios de comunicação, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), preserva elevada popularidade.

Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, mais de 40% dos paulistanos avaliam Doria positivamente. Embora o índice negativo (ruim/péssimo) tenha crescido sete pontos percentuais na comparação com fevereiro, o percentual está dentro dos 30% do eleitorado que historicamente se alinha à esquerda na cidade. tabela Doria 1

Sobre a operação policial na Cracolândia para combater o tráfico de drogas, 59% afirmaram ser favoráveis a ação como ela foi realizada. Outros 34% são contrários. Mesmo com a cobertura crítica realizada pelos principais veículos de comunicação, a opinião pública paulistana respaldou a decisão de Doria.

Outra questão interessante trazida pelo Datafolha é que embora 53% dos entrevistados digam que nos primeiros cinco meses de gestão, João Doria “fez menos que o esperado” pela cidade, enquanto apenas 18% dizem que ele “fez mais que o esperado”, a imagem do prefeito não foi abalada.

Doria perde terreno entre os paulistanos de baixa renda

Porém, o Datafolha também trouxe alguns sinais de alerta para João Doria. Quando observamos a avaliação do prefeito pela variável renda, constata-se que Doria está perdendo terreno entre os paulistanos de baixa renda (até dois salários mínimos). Nesse segmento, já ocorre um empate técnico entre as avaliações positiva (ótimo/bom) e negativa (ruim/péssimo). Entre fevereiro e junho, o percentual negativo cresceu nove pontos (20% para 29%), enquanto o positivo caiu cinco (35% para 29%).

Tabela 2 Doria

Entre os entrevistados com renda acima de dois a cinco salários mínimos, embora a maioria aprove Doria (39%), a avaliação positiva caiu oito pontos percentuais (47% para 39%). Porém, o índice negativo cresceu 12 pontos percentuais (9% para 21%) nos últimos cinco meses.

Na faixa de renda de cinco a dez salários mínimos, João Doria ampliou o índice ótimo/bom em cinco pontos (52% para 57%) entre fevereiro e junho. Porém, assim como verificamos em outras faixas de renda, a avaliação ruim/péssima cresceu nove pontos (10% para 19%).

Mesmo entre os paulistanos em que João Doria ostenta maior aprovação (população com renda acima de 10 salários mínimos), o índice positivo caiu quatro pontos (66% para 62%) nos últimos cinco meses. A diferença em relação as demais faixas de renda é que, nesse segmento, a avaliação negativa oscilou positivamente (10% para 12%) dentro da margem de erro (dois pontos percentuais para mais ou para menos).

Embora Doria lidere nas cinco regiões de São Paulo, o prefeito está perdendo importantes pontos em todas elas, principalmente nos redutos de menor poder aquisitivo (zonas Norte e Leste).

Doria tem mais aprovação na zona Oeste; menor índice é na zona Leste

Na região central da capital paulista, a avaliação positiva caiu cinco pontos percentuais (52% para 47%) entre fevereiro e junho. Por outro lado, o índice negativo cresceu dez pontos (12% para 22%), embora tenha se estabilizado na comparação entre as pesquisas de abril e junho.

tabela 3 Doria

Na zona Norte, entre fevereiro e junho, o percentual ótimo/bom de João Doria oscilou negativamente (44% para 42%) dentro da margem de erro. Porém, entre abril e junho, o índice baixou quatro pontos (46% para 42%). Apesar do percentual ruim/péssimo ter oscilado um ponto para cima (21% para 22%) nos dois últimos meses, essa avaliação cresceu doze pontos (10% para 22%) entre fevereiro e junho.

Na zona Sul, o índice positivo oscilou negativamente (42% para 40%) dentro da margem de erro entre fevereiro e junho. Porém, a avaliação negativa aumentou nove pontos (13% para 22%) nos últimos cinco meses.

Na zona Leste, o índice ótimo/bom ficou estável entre abril e junho (37%). No entanto, na comparação com fevereiro, o índice caiu cinco pontos (42% para 37%). Nessa região, que foi considerada durante muito anos o reduto eleitoral do PT, subiu nove pontos (16% para 25%) o índice ruim/péssimo de Doria nos últimos cinco meses.

João Doria segue com seu melhor desempenho na zona Oeste, onde sua avaliação positiva é de 55%, quatro pontos percentuais a mais que o registro em fevereiro (51%). Já o índice ruim/péssimo é o mesmo de cinco meses atrás (11%).

Estratégia de Marketing

Apesar dos pontos perdidos entre a população de menor renda e habitante da periferia de São Paulo, o resultado da pesquisa Datafolha foi positivo para João Doria. O prefeito, que tem se mostrado um administrador bastante atuante, consegue, através de sua eficiente estratégia de marketing, se dissociar da imagem de político tradicional, e ganhar pontos importantes junto à opinião pública.

Por outro lado, a perda de pontos junto a população mais carente pode ser explicada pela dependência que esse segmento possui em relação a ação do poder público. Como a crise financeira impõe limitações aos prefeitos, Doria enfrenta obstáculos para avançar em determinadas ações para além do marketing governamental, sobretudo nas periferias.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais