oposicao

E se fosse FHC

Imprimir

O presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) recebeu R$ 75 milhões em propina. Os recursos irrigaram as campanhas eleitorais do tucano em 2010 e 2014 na forma de doações legais. A informação partiu de um dos empreiteiros que fizeram delação premiada à Procuradoria-Geral da República.

O PT, que defende o impeachment do presidente, considera não haver mais dúvida do envolvimento de tucanos no escândalo que identificou desvios bilionários da Petrobras. FHC, investigado pela operação Lava-Jato, segundo o ex-líder do governo no Senado, tinha conhecimento de todos os ilícitos na estatal.

Os dois parágrafos acima esboçam uma conjectura fácil de formular para os que acompanham a política brasileira. Basta substituir, nas chamadas dos veículos de comunicação, o nome de Dilma Rousseff por FHC, do PT por PSDB.

Quem conhece a agremiação fundada em 1980 tem ideia do barulho que sua militância estaria promovendo, e a virulência como suas lideranças agiriam. Bastaria apenas que pairassem suspeitas de corrupção e ilegalidades semelhantes às que se acumulam contra o atual governo.

Afinal, o PT patrocinou pedidos de impeachment contra os ex-presidentes Fernando Collor, Itamar Franco e FHC. Em nenhum daqueles, ao que consta, a sigla considerou tratar-se de golpe. Contra a mandatária, porém, o impedimento virou golpismo.

Estivessem hoje os papéis invertidos, a turba de militantes arregimentada estaria ao lado dos “coxinhas” e dos “fascistas”. Claro, não seriam “coxinhas”, mas cidadãos mobilizados contra a corrupção, a inflação e o desemprego. Qualquer petista honesto sabe que assim atuaria o PT.

Criação e criador

Ora, a descoberta dos malfeitos hoje só é possível graças aos governos do PT, que, diferentemente dos antecessores, não interferiram nas investigações, justificam governistas. O argumento, usado como salvo-conduto, não serve como atenuante.

Se verdadeiro que o PT patrocinou a independência do trabalho de investigadores, talvez tenhamos um revival de O Bem Amado, de Dias Gomes. Dilma Rousseff no papel de Odorico Paraguaçu; o juiz Teori Zavascki no de Zeca Diabo.

Odorico, o prefeito de Sucupira, busca, durante a trama, inaugurar seu cemitério municipal. Eternizado pela performance de Paulo Gracindo na versão televisiva, o prefeito acaba estreando sua obra, depois de alvejado por Zeca Diabo (Lima Duarte, no folhetim da TV Globo). Logo saberemos se, como na ficção, a criação engolirá o criador.

A Lava-Jato é seletiva e mira sobretudo o governo Dilma, também serve como autodefesa. Se, de um lado, este parece ser o viés da operação, do outro, a égide dilmista ensaia buscar o “locupletemo-nos todos”. Além disso, é o governo em tela que gere orçamento de R$ 3 trilhões, e a malversação do erário foi, em grossa maioria, comprovada.

Remover Dilma para colocar Michel Temer vai ser pior, esgrimem com frequência dilmistas. Contradizem-se aqui. Ou bem defendem a Constituição, e o vice deve assumir, ou abandonam a Carta Magna como argumento.

E se Temer for alcançado pela Lava-Jato ou pela Justiça Eleitoral? Novamente a Constituição: novas eleições seriam convocadas. Além do mais, PT e PMDB amalgamaram-se de tal forma que pouca diferença resta.

Derradeira alegação, o Congresso vai condenar uma “mulher inocente”. O raciocínio, levado ao paroxismo, sugere que uma presidente ilibada, mas inepta, tem o amparo constitucional para quebrar a economia do país.

“Corrupção cívica”

Parte dessa postura pode ser entendida quando se compara a agremiação a uma seita. Posiciona-se ela como única capaz de fazer o bem ao povo, pois imbuída do gérmen da magnanimidade. “Como se o PT fosse o único depositário da decência na política nacional, coisa que não é”, sustentou o sociólogo José de Souza Martins, em entrevista recente ao Valor Econômico.

Na visão petista predomina o pensamento de que a gatunagem de esquerda é necessária, pois beneficia os desafortunados. Para o sociólogo do ABC, como alcunhou a repórter Malu Delgado, a ideia é que “corrupção de esquerda é a corrupção para o bem, não é para enriquecimento privado”.

É a “corrupção cívica”, na irônica definição de Martins. Ainda de acordo com a doutrina esquerdista, muitas ações heterodoxas se justificam para evitar que a direita volte ao poder. O modelo, por ironia, assemelha-se àquele pregado por Sérgio Motta, pensador tucano já falecido.

Em 1995, ele sustentou que o PSDB deveria ficar pelo menos mais 20 anos no poder. Para desgosto de ambos, as semelhanças entre tucanos e petistas vão além da origem na ditadura militar.

Legalidade

Resta, assim, improcedente taxar como golpe a deposição da presidente. Também aqui assemelham-se PT e PSDB.  Ao defender o impedimento do ex-presidente tucano, petistas argumentaram que FHC cometera “estelionato eleitoral”.

No direito, o rito do impeachment de Dilma Rousseff estriba-se em decisão do STF de dezembro de 2015, festejada por governistas. Além disso, para demover a mandatária serão necessários os votos de dois terços dos deputados e dos senadores, em votações distintas e abertas.

O arrazoado situacionista já foi rejeitado pelo STF. Juízes daquela corte, ativos e inativos, respaldam a legalidade. “Não se trata de um golpe”, pontuou Dias Toffoli, membro da corte de inequívoco DNA petista. A antes decantada The Economist arremata: “Quando um golpe não é um golpe”.

Sobram, a defender a tese do golpismo, néscios e dilmistas. Para os últimos por conveniente e bem engendrada propaganda política. Agora, para preservação do status quo e mobilização das massas. Depois, em caso de deposição, para brandir como escapatória.

As alegações dos que defendem o governo Dilma servem ainda como cortina de fumaça para camuflar a derrocada do projeto que pregava a ética como diferencial partidário. Mas que, treze anos depois, lega a desesperança autofágica na política – talvez a mais perversa de todas as heranças.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para reflexão do potencial eleitor de Bolsonaro


Parcela do eleitorado – indignada com a situação do país, enfurecida com a corrupção e com a violência – tem sede de vingança. E esse sentimento aproxima essas pessoas do candidato Jair Messias Bolsonaro, que não faz outra coisa na vida a não ser reforçar esse sentimento de revolta nas pessoas. Quando um agente político identifica uma situação de desconforto e recomenda uma punição para os seus supostos responsáveis, esse gesto o aproxima das pessoas que estão incomodadas com a situação, fazendo-as imaginar que esse diagnóstico comum é suficiente para fazer dele (agente político) seu representante no Congresso ou no Poder Legislativo. O “messianismo”, ou a crença na vinda de um salvador ou redentor, caído do céu, imaculado e justiceiro, para libertar o povo de seus males, é um fato na cultura da Humanidade, mas, ao mesmo tempo, pode gerar a alienação dos indivíduos quanto a serem, eles mesmos, os agentes para a solução dos problemas identificados. O método adotado por Bolsonaro para sensibilizar seus apoiadores consiste em apontar problemas (criminalidade, corrupção, desemprego), indicar os supostos culpados (a esquerda, os comunistas, os malandros e corruptos), além de sugerir uma suposta solução (a punição, no caso a repressão, o encarceramento, o corte de direitos e serviços públicos, etc), numa construção que denota causa e efeito. Para potencializar e manter as pessoas presas a essa fórmula, utilizam as redes sociais para espalhar discórdia, mentiras e apontar fatos da realidade que chocam as pessoas. Existe um exército de mercenários, a serviço dos bolsonaristas, que alimenta, estimula e sustenta esse tipo de campanha permanente É o modo de comunicação troll, que provoca reações enfurecidas, estimula um comportamento de massas, manipula, maneja e molda as crenças e sentimentos das pessoas sem contar com o consentimento ou vontade consciente delas. Provoca os instintos mais primitivos do […]

Ler mais

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais