brasil-politica

A eclipse das ideias

Imprimir

No dia 21 de agosto a mídia exibiu o fenômeno astronômico que foi batizado como a eclipse do século. A eclipse solar é um fenômeno que ocorre quando a Lua se interpõe entre a Terra e o Sol. Nos Estados Unidos a escuridão em pleno dia se estendeu desde o Oregon até a Carolina do Sul e teve seu auge nos estados do Missouri e Kentucky, um fato que aconteceu pela última vez em 08 de junho de 1918.

Por um pequeno espaço de tempo nosso planeta não recebeu a irradiação solar plena, fonte primária de todo sistema energético e vida do planeta. Para alguns a ocultação do Sol produz incertezas gerando uma tensão inconsciente.

Como o próprio fenômeno simboliza algo incomum, o período do eclipse também tende a sinalizar acontecimentos inesperados e reviravoltas. E também reflexões.

A ocultação das ideias

A história nos mostra que os sistemas sociais, econômicos e políticos sofrem transformações. As ocultações de ideias e princípios desempenham um papel importante nos retrocessos que colocam a sociedade humana na penumbra. É o que testemunhamos atualmente no planeta e no Brasil.

Um planeta que caminha para a desolação, uma pandemia de violência, uma descrença no mundo político e judiciário, uma indecente justiça social e que insistimos em chamar de democracia. Na história da humanidade tivemos grandes pensadores que indicaram caminhos para sairmos de um cenário de selvageria para conquistarmos um estágio de civilização plena.

Esses seres iluminados, como o Sol, criaram o Humanismo onde o ser humano é colocado no centro das preocupações sociais e intelectuais. Podemos citar entre eles, Confúcio, Sócrates, Descartes, Spinoza, Voltaire, Rousseau, Kant, Hegel, Nietzsche, Ortega y Gasset, Sartre e Hanna Arendt.

Muitos contribuíram através da literatura, entre eles, Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Luís de Camões. Apesar das mensagens de sabedorias dos nossos antepassados, eles são relembrados somente em círculos intelectuais e acadêmicos restritos. É importante tirar essas ideias de debaixo do tapete e democratizar e aplicar esses ensinamentos.

A pós eclipse no Brasil

Certamente vamos superar as atuais crises, éticas, morais, políticas, da educação, da ciência e tecnologia, da saúde, econômicas e outras. Para entender a identidade brasileira e projetar nosso futuro vamos nos inspirar nas ideias de nosso saudoso Darcy Ribeiro.

Em seu livro “O processo civilizatório”, publicado em 1972 ele enfatizou a evolução das sociedades humanas procurando entender de forma coerente e lógica a história da humanidade. Em seu livro “O povo brasileiro”, publicado em 1995 ele trata das matrizes culturais e dos mecanismos de formação étnica e cultural do povo brasileiro.

Nessas reflexões ele nos remete às nossas origens, a história que como brasileiros fomos construindo. Ele procurou entender os caminhos que percorremos que nos levaram a distâncias sociais tão profundas no processo de formação nacional.

Nesse livro ele assim se expressa: “Faço política e faço ciência movido por razões éticas e por um fundo patriotismo”. Ele denuncia o descaso dos setores retrógados das classes dominantes pelo povo e pela nação.

Darcy Ribeiro defende a reordenação social do País sem convulsão social, através de um reformismo democrático. Mas, conhecendo o caráter da classe dominante brasileira, e ao contrário daqueles que temem a revolução, ele pensa também que essa mudança pacífica:

“é muitíssimo improvável neste país em que uns poucos milhares de grandes proprietários podem açambarcar a maior parte de seu território, compelindo milhões de trabalhadores a se urbanizarem para viver a vida famélica das favelas, por força da manutenção de umas velhas leis”.

Os desafios são grandes. Ideias inspirativas não faltam. Lembremos uma de Darcy: “Só há duas opções nesta vida: se resignar ou indignar. E eu não vou me resignar nunca.” Vamos todos lutar pelas conquistas dos sonhos de Darcy e todos os humanistas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais