politica

Efraim Filho: “Temer tem que evitar o risco de fazer mais do mesmo”

Imprimir

O deputado federal Efraim Filho, da Paraíba, está em seu terceiro mandato consecutivo, pelo partido Democratas. É defensor de pautas relevantes, como a transposição do rio São Francisco, e da redução da maioridade penal. Presidiu a CPI dos Fundos de Pensão, que considera “a caixa preta” na política brasileira.

O Blog da Política Brasileira conversou com o deputado sobre a agenda da política – impeachment, Operação Lava-Jato e Eduardo Cunha. Suas opiniões:

Michel Temer

“O presidente interino tem uma grande oportunidade pela frente, mas tem que se atentar para o risco de não fazer mais do mesmo. Acho que se ele for pelo caminho oposto do PT, que insistia em inchar o Estado, e cortar custos, tem uma chance de fazer diferente de forma positiva. O povo não precisa e não tem condição de arcar com mais impostos”.

 

Lava-Jato

“É irreversível e muito bem-vinda. Precisamos com urgência desnudar esse cenário de democracia vendida que o Brasil vive hoje. A Lava-Jato promoveu uma mudança cultural no país, e hoje sentimos que podemos sim, vencer a impunidade”.

 

Dilma Rousseff

“Dilma se mostrou uma incompetente política e gerencial. Foi vendida uma imagem de que apesar de inexperiente politicamente, ela seria uma boa gestora, mas o que vimos não foi isso. As decisões tomadas foram desastrosas. Seus pronunciamentos, especialmente os improvisados, mostraram toda a sua incapacidade de governar e descontrole gerencial perante o cenário político. Tudo sobre Dilma Rousseff mostra que ela foi incapaz de presidir o Brasil.

 

Lula

“Se estiver solto… A Lava-Jato veio para mostrar, entre outras coisas, que a corrupção no governo do PT foi generalizada e infiltrada em todos os cantos possíveis. O PT foi um partido que elaborou um projeto de poder financiado pela corrupção. Um projeto organizado, com cargos, funções e até tesoureiros envolvidos, com arrecadação e usufruto de dinheiro público, para manter o grupo. A corrupção está no Brasil desde os tempos de Dom Pedro I, mas é a primeira vez que a vemos, de maneira tão escancarada, e sendo governada por quem está sentado lá em cima. Lula está tendo sua imagem desconstruída, e perde força a cada dia.

 

Eduardo Cunha

“Em nome da própria vaidade, ou teimosia, perdeu o timing. Cunha deveria ter se afastado logo após a conclusão do impeachment na Câmara, considerando todas as acusações e provas existentes das denúncias contra ele. Não vejo outro caminho para o deputado, que não seja a cassação”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados