eleicoes-2018

Especial: Para enfrentar Lula, Bolsonaro ou Alckmin

Imprimir

Com Lula na disputa, dois nomes apareciam com maiores possibilidades de ocupar o espaço anti-lula: o do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e o do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Os erros políticos que Doria tem cometido, no entanto, o levaram a queimar a largada. Dois outros núcleos, além das forças que gravitam em torno de Lula, estão em organização.

Jair Bolsonaro

Geraldo Alckmin

O PSDB se debate entre João Doria e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin – o favorito –, como candidatos. O mundo político acompanha o debate. Uns reconhecem que a preferência é de Alckmin. Outros veem Doria como alguém que pode capturar o sentimento de renovação da política demandado pela população. Existe a possibilidade de Doria aglutinar um grupo de partidos e lançar seu nome fora do PSDB.

O centro político duvida de uma união em torno do candidato do PSDB; também não sabe se haverá divisão em duas ou três correntes.

Na primeira opção temos o PSDB na cabeça de chapa com, provavelmente, o DEM ou o PMDB ocupando a vice-presidência. Tal opção implica que João Doria ou Geraldo Alckmin aceitem a escolha e que o preterido desista de uma candidatura dissidente.

Embora Alckmin seja um nome com potencial eleitoral, num ambiente de radicalização ele pode encontrar dificuldades para crescer nas pesquisas. Diferentemente de Doria, Alckmin tem um perfil mais adequado a uma conjuntura de moderação. Assim, num cenário polarizado com Lula, há o risco de Alckmin ficar atrás de Bolsonaro, como já vem ocorrendo nas pesquisas pré-eleitorais.

Mas o apoio do ex-presidente Fernando Henrique, que o lançou à Presidência em entrevista ao Blog da Política Brasileira e sua habilidade de negociador de alianças o credenciam a ser escolhido candidato do partido.

Possíveis alianças

No outro campo, uma aliança do PSDB com PMDB ou DEM pode gerar insatisfação em quem sobrar. E quem sobrar pode se aliar com PSD, PP, PR, PRB e/ou PTB e formar uma poderosa coalização.

Quem também aparece como pré-candidato ao Planalto é o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD-SP). Com a economia dando sinais de recuperação, Meirelles pode representar o governo Michel Temer (PMDB). Além de contar com o poder da máquina federal, Meirelles poderia atrair o PMDB e fazer uma aliança competitiva, dada a estrutura e o importante tempo de TV que os dois partidos dispõem.

A fratura do centro político parece ser uma possibilidade preponderante. Em especial pelo clima de beligerância entre setores do PSDB e do governo.

Reinvenção da política e nomes do Judiciário

O outro núcleo é aquele que luta pela renovação política e se debate entre apoiar algo totalmente novo ou aceitar uma fórmula que incorpore um novo nome e uma estrutura partidária antiga. Outra vertente busca ainda a renovação radical por meio do Partido Novo, com nomes totalmente desconectados da política.

Os ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto, cotados como opções, ainda não têm filiação partidária. Tanto Barbosa quanto Ayres Britto são alternativas interessantes para composições como vice-presidente, pois ambos vêm do Poder Judiciário, o que é um atributo de imagem importante, dada a relevância que a bandeira do combate à corrupção deve ter na agenda em 2018.

Veja outros artigos desta série especial pré-eleições:

ESPECIAL: Lula/2018, com ou sem?

ESPECIAL: Sem Lula o PT vai de plano B

ESPECIAL: Bolsonaro bom de largada

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais