politica

Enigma a ser decifrado

Imprimir

Desde os anos 80 venho a Portugal. Nos anos 90, por conta de uma promessa, as viagens tornaram-se anuais. Ainda que fossem pontuais e específicas, não pude deixar de ver as transformações ocorridas no país.

Em outro plano, Portugal vive no meu íntimo devido à minha antiga preferência por Eça de Queirós, o maior escritor de nossa língua. Talvez resista dentro de mim um pouco da nostalgia portuguesa. Uma nostalgia de tempos que não vivi.

Agora, neste exato momento, escrevo este artigo/crônica no Parque da Exposição de 1998. Aqui, uma arquitetura futurista está assentada sobre uma imensa calçada composta por tradicionais pedras portuguesas.

Centenas de estudantes e de turistas caminham para ver o espetáculo do Oceanário, onde o novo e o antigo se encontram.

Portugal é um enigma para a imensa maioria dos brasileiros, os quais, por desinformação e preconceito, não se interessam em desvendar. Ainda bem que alguns que conheço veem de outra maneira. Como diz José Múcio, Lisboa é Lisótima!

Por isso discordo sempre quando alguns desavisados atribuem nossos infortúnios à colonização portuguesa. Temos é que agradecer, pois os portugueses nos legaram um imenso país com ampla diversidade. Um fado tropical

Um país tão pequeno legou ao mundo uma nova pátria onde, a cada centímetro, há um pouco de Portugal. Ruy Guerra e Chico Buarque disseram: “Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal/ Ainda vai tornar-se um imenso Portugal”.

Ao viajar pelas pequenas estradas de Portugal, me imagino um Jacinto de Thormes, personagem de Eça, reencontrando o que nunca vivi. Sem saudades do progresso tecnológico, na expectativa da felicidade na simplicidade da terra simples.

Já n’outro tempo, vejo o arrojo das formas futuristas do Oceanário. O paradoxo entre o novo e o antigo em Portugal se debate para o adiante. Sinto-me, de forma diferente mas parecida, o outro Jacinto dos tempos de Paris. Como o homem duplicado de Saramago: igual, mas diferentemente igual. Enigma a ser decifrado tal qual o caos de nossas dúvidas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais

A lógica do paternalismo e o Estado controlador


A influência que a esquerda exerce sobre as redações, a academia e o mundo artístico propaga conceitos ideológicos como se fossem verdades certificadas. Quem discorda é patrulhado por “especialistas” arregimentados pela mídia em geral – que, mais das vezes, busca quem confirme sua tese.

Ler mais