politica

Esforço pela Previdência continua

Imprimir

O governo entra em uma semana decisiva para a Reforma da Previdência e várias reuniões e articulações são esperadas. Na quarta-feira (6), a Executiva do PSDB reúne as bancadas da legenda na Câmara e no Senado para decidir se fechará questão a favor da reforma. O senador Aécio Neves (MG) e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (SP), defendem apoio. Mas outros tucanos têm afirmado que nenhum partido da base apresenta unidade sobre o tema.

Na noite de quarta-feira (06), está prevista uma reunião entre o presidente Michel Temer e os presidentes e líderes dos partidos aliados para um balanço sobre o apoio à reforma. Dependendo do resultado, ela poderá entrar na pauta na próxima semana.

TENDÊNCIA: PSDB não fechar questão

Dividido, PSDB realiza convenção no dia 9

O PSDB realiza convenção no sábado (9) para eleger seu novo presidente, em substituição ao senador Aécio Neves (MG). Até o momento, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, é o candidato único e deve ser eleito.

A convenção pode decidir sobre o desembarque da legenda do governo Temer. Hoje, o PSDB ocupa três ministérios: a Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy), o Ministério das Relações Exteriores (Aloysio Nunes) e Direitos Humanos (Luislinda Valois).

A substituição de Imbassahy pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) é tida como certa. Já Aloysio Nunes permanecerá no cargo, na “cota pessoal” de Temer, seja qual for a decisão do PSDB.

TENDÊNCIA: Eleição de Geraldo Alckmin

Banco Central decide novos juros

O Comitê de Política Econômica do Banco Central (Copom) se reúne, na terça e na quarta-feira (04 e 05), para decidir sobre a taxa básica de juros (Selic), hoje em 7,5% ao ano.

A expectativa é que ela seja reduzida para 7% ao ano. Seria a 10ª queda consecutiva em 2017. A ata da reunião será divulgada no dia 12 de dezembro.

Esta será a última reunião do Copom no ano. O colegiado volta a se reunir nos dias 06 e 07 de fevereiro.

TENDÊNCIA: Redução de 7,5% para 7%

Caravana Lula

O ex-presidente Lula dá início nesta segunda (04) à sua terceira caravana pelo país este ano. Até sexta, ele deve visitar dez cidades no Rio de Janeiro e no Espírito Santo.

O ex-presidente deve visitar universidades, obras iniciadas nas administrações do PT e beneficiários de programas sociais. Lula pretende exaltar o legado dos governos petistas, em especial a realização da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016 no Brasil, e comparar com o que chama de paralisia do governo Michel Temer.

No Rio de Janeiro, terá encontros com intelectuais e participará de um ato em defesa da educação na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que enfrenta grave crise financeira. Lula deve aproveitar a oportunidade para criticar a Reforma da Previdência. Pode também se juntar às paralisações que centrais sindicais organizaram para terça-feira (05) contra a proposta.

TENDÊNCIA: Lula concentrar ataques à Previdência

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais