clipping-politica-brasileira

Leitura Obrigatória: Fachin divide inquérito de Temer e Aécio

Imprimir

O relator da Lava-Jato no Superior Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, proferiu algumas decisões sobre o caso da delação da JBS e das investigações relativas ao presidente Michel temer e ao senador afastado Aécio Neves. Fachin decidiu separar os inquéritos de Temer e Aécio, ele continua com a investigação do presidente e do deputado Rocha Loures pela sua conexão com fatos da lava-Jato e o caso de Aécio será sorteado para outro ministro.

Em outra decisão Fachin aceitou que o presidente Temer preste depoimento por escrito no inquérito decorrente da delação da JBS. Temer deverá responder às perguntas que serão formuladas pela Polícia Federal. Ao autorizar a PF a tomar o depoimento do presidente, Fachin afirma que Temer pode responder as questões por escrito “em razão da excepcionalidade de investigação “em face do Presidente da República, lembrando-se que o próprio Ministério Público Federal não se opôs ao procedimento”. O presidente terá 24 horas para responder as perguntas formuladas pela autoridade policial, a contar do prazo de entrega das questões.

Serraglio dá o troco

O ex-ministro da Justiça, Osmar Serraglio, soube pela imprensa que tinha sido substituído por Temer, que chamou para seu lugar o advogado e ex-ministro do TSE Torquato Jardim que estava no ministério da Transparência. Temer não deu nem um telefonema explicando ou comunicando a decisão, mas hoje Serraglio foi chamado a uma reunião com o presidente onde lhe seria oferecido o lugar de Jardim na pasta da Transparência. Serraglio antes mesmo da reunião declinou o convite e disse em nota:

Excelentíssimo Senhor Presidente da República

Agradeço o privilégio de ter sido Ministro da Justiça e Segurança Público do nosso País.

Procurei dignificar a confiança que em mim depositou.

Volto para a Câmara dos Deputados, onde prosseguirei meu trabalho em prol do Brasil que queremos.

Osmar Serraglio

Ao declinar o deputado ainda deixou Rocha Loures, seu primeiro suplente, investigado pelo recebimento de uma mala com 500 mil em propina da JBS, sem o benefício do foro privilegiado. Temer avalia a possibilidade de indicar algum peemedebista do Paraná para a Transparência e assim garantir o foro para Loures.

Com informações da Globo News e Folha.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais