eleicoes-2018

‘Fake news’ são tema de debate em reunião do Conselho de Comunicação

Imprimir

A menos de um ano das eleições gerais o Brasil enfrenta um problema sério causado pelas chamadas fake news, notícias falsas disseminadas nas redes sociais. O tema vem sendo tratado como prioridade pelo Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional (CCS) desde novembro de 2017, quando o cientista político Murillo de Aragão assumiu a presidência do colegiado.

Nesta segunda-feira (5), o Conselho criou uma comissão de relatoria destinada a analisar os projetos de lei que tramitam na Câmara e no Senado sobre o combate às fake news. Durante a reunião, foram eleitos seis membros para a comissão que deverá apresentar um relatório após ouvir os autores das propostas. Geralmente as comissões do Conselho de Comunicação Social são formadas por apenas três membros, mas, dada a complexidade do tema, foi aprovada a designação de seis integrantes (dois representantes das empresas de comunicação, dois trabalhadores da área e dois indicados pela sociedade civil). Atualmente, pelo menos oito projetos sobre o tema tramitam no Congresso Nacional.

O início da reunião foi marcado por controvérsias sobre a elaboração de um ‘anteprojeto’ sobre o assunto, a ser submetido aos parlamentares. Aragão explicou que o dito anteprojeto é apenas um estudo inicial que levará em consideração os projetos de lei que tratam sobre fake news. De acordo com o presidente, isso ainda não é uma iniciativa do conselho e nem sequer foi votado para se transformar em sugestão. “É apenas parte de um trabalho feito pela consultoria legislativa para estudar o tema, apenas isso”, afirmou.

Sobre a legalidade do anteprojeto e o papel do Conselho, Murillo de Aragão esclareceu que o papel do Conselho “é meramente suplementar, de debate, e trazer os temas à discussão perante representantes da sociedade, dos trabalhadores e dos empresários, aberto à sociedade civil para receber contribuições. Qualquer iniciativa que traga ameaça à liberdade de imprensa será plenamente refutada por este conselho. Não cabe [a nós] a iniciativa de projetos de lei, mas sim o exame e a opinião sobre temas que estão em debate”, concluiu.

A comissão criada nesta segunda vai apresentar pareceres sobre as propostas em debate, e a expectativa é que esses relatórios sejam analisados na próxima reunião do Conselho, em abril.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais