politica

Furor legiferante

Imprimir

No dia 1º de novembro foi protocolado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei ordinária nº 9.000 dentro da atual Legislatura, que se encerra em 31 de janeiro de 2019. Esse número já é bem superior aos 8.334 projetos que transitaram pela Câmara na legislatura anterior (2011/2015). Trata-se de um recorde em proposições apresentadas na Casa desde a redemocratização do país, sem contar as outras espécies normativas.

O número de projetos de lei nessa legislatura ultrapassam a barreira dos 10.000, quando somados aos apresentados no mesmo período no Senado Federal e os propostos perante a Mesa do Congresso Nacional (matérias orçamentárias).

Projeto de lei é o tipo de proposição mais utilizado no processo legislativo, pois dá origem a leis ordinárias, que possuem um amplo campo legal ao disciplinar normas gerais e abstratas. A grande quantidade desse instrumento legislativo reflete uma característica marcante do nosso ordenamento legal: um grande número de leis, em diferentes níveis de hierarquia.

Constituição detalhista e remendada

A legislação federal contabiliza uma grande quantidade de normas. Atualmente, constam no ordenamento jurídico mais de 13.500 leis ordinárias e 160 leis complementares. A Constituição brasileira é altamente detalhista, com mais de 360 artigos entre dispositivos permanentes e transitórios. E embora possua regras rígidas de alteração, já sofreu mais de 100 mudanças ao longo de apenas 29 anos de vigência. Tudo isso sem falar no infindável número de atos infralegais, que se situam abaixo das leis, como os decretos, resoluções, portarias etc.

O chamado “furor legiferante”, fenômeno tendente a produzir leis para regular as mais variadas circunstâncias da convivência social, é um traço marcante do Direito brasileiro. Assim como em vários outros países, o Brasil adota um sistema jurídico baseado na tradição romano-germânica, que sistematiza o Direito em códigos legais e que prima pela forma escrita das normas.

Legisladores demais

O alto número de atores legitimados para deflagrar o processo legislativo é um fator preponderante que contribui para ampliar a profusão normativa. Membros de outros poderes respondem por parcela significativa das proposições. O Presidente da República é um legislador especial, pois possui uma capacidade legislativa ampla, inclusive com iniciativa exclusiva sobre determinadas matérias e instrumentos que lhe garantem prioridade na agenda legislativa. O Judiciário, o Ministério Público e a Defensoria podem propor leis para disciplinar questões internas. Além desses, há ainda os projetos vindos da sociedade, como os de iniciativa popular, das comissões de Legislação Participativa e de outros canais institucionais do Parlamento.

Aspectos de ordem comportamental também exercem grande influencia nesse fenômeno. A prática corrente entre os legisladores é um deles. Cada vez mais, os parlamentares privilegiam a propositura de leis como um dos eixos de atuação política. O oferecimento de propostas que beneficiam bases eleitorais, atendem os interesses de corporações ou de correntes de opinião específicas lhes rendem visibilidade e prestígio.

O papel da imprensa

A imprensa é outro ator que impulsiona esse processo. Alguns veículos de comunicação que acompanham o Congresso costumam avaliar o desempenho do parlamentar a partir do número de proposições de sua autoria, o que é um incentivo a mais para a apresentação de propostas. Além disso, a opinião pública valoriza sobremaneira a função legiferante do poder Legislativo, a ponto de resumir a atuação parlamentar à votação de matérias. A visão predominante na mídia é de que se um parlamentar não está em plenário votando, então não está trabalhando. Isso pressiona o parlamento a legislar ainda mais.

Um jargão muito utilizado por quem é contra o grande número de leis é o que diz que “não é necessário novas leis, basta cumprir as já existentes”. Há quem argumente que muitas leis só servem para gerar instabilidade jurídica e abarrotar os tribunais. Numa linha liberal, a visão é de que o excesso de regulação também configura interferência estatal demasiada no espaço privado dos subordinados.

Racionalização do sistema legal

De fato, uma racionalização seria saudável não só para o bom funcionamento do nosso sistema jurídico, mas também para melhor compreensão da sociedade. Há leis casuísticas, criadas sem maior reflexão. Algumas de baixa repercussão, com eficácia restrita. E outras que se contrapõem entre si. No entanto, qualquer cerceamento de iniciativa legal, exceto os já previstos pela Constituição, seria inoportuno, pois revelaria um caráter antidemocrático.

Embora em muitos casos se possa entender não existir necessidade de determinadas leis, há de se compreender que a multiplicação normativa decorre da complexidade da vida em sociedade. A diversidade cultural, multiplicidade de pensamentos e novas formas de interação entre os indivíduos são características próprias de uma sociedade em constante mutação, que ensejam reações às mudanças em curso. Portanto, é natural que esse ciclo demande aperfeiçoamentos legais.

A criação de leis é um processo contínuo, que acompanha a evolução humana. O número em si não constitui um problema. O fundamental é que as leis sejam eficazes e atendam à coletividade, independentemente da quantidade. A racionalização da legislação virá com o amadurecimento da sociedade, num processo evolutivo que por si só deverá expurgar o que for desnecessário e produzir leis relevantes e de grande alcance social.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais