estados

O que os governadores querem do Congresso

Imprimir

Os governadores continuam circulando de pires na mão por Brasília. À espera do projeto do governo federal que vai criar o plano de recuperação fiscal dos estados, eles também buscam outras soluções que possam garantir algum alívio nas suas contas. Na semana que passou, foram recebidos pelo presidente do Senado e apresentaram uma agenda com quatro projetos de interesse.

Um deles é o que trata da securitização da dívida ativa dos estados (PLS nº 204/16). A proposta permite aos entes da federação, mediante autorização legislativa, ceder direitos originados de créditos tributários e não tributários, objeto de parcelamentos administrativos ou judiciais, inscritos ou não em dívida ativa, a instituições financeiras.

Outro é o projeto que descentraliza os ressarcimentos ao Sistema Único de Saúde – SUS (PLS nº 308/15). Visa alterar a Lei dos Planos de Saúde, a fim de permitir que estados e municípios sejam diretamente ressarcidos pelos planos quando o atendimento de seus usuários se der na rede do SUS em estabelecimentos a eles vinculados.

Também consta da lista a PEC nº 61/15, que possibilita que emendas parlamentares individuais ao projeto de lei do Orçamento anual aloquem recursos diretamente aos Fundos de Participação dos Estados e dos Municípios, indicando o ente federativo a ser beneficiado. Os recursos seriam repassados independentemente de convênio.

Por fim, há o PLS nº 390/15, que dispõe sobre compensação previdenciária. O projeto visa permitir que valores referentes à compensação financeira possam ser abatidos da dívida dos entes com a União.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais