estados

O que os governadores querem do Congresso

Imprimir

Os governadores continuam circulando de pires na mão por Brasília. À espera do projeto do governo federal que vai criar o plano de recuperação fiscal dos estados, eles também buscam outras soluções que possam garantir algum alívio nas suas contas. Na semana que passou, foram recebidos pelo presidente do Senado e apresentaram uma agenda com quatro projetos de interesse.

Um deles é o que trata da securitização da dívida ativa dos estados (PLS nº 204/16). A proposta permite aos entes da federação, mediante autorização legislativa, ceder direitos originados de créditos tributários e não tributários, objeto de parcelamentos administrativos ou judiciais, inscritos ou não em dívida ativa, a instituições financeiras.

Outro é o projeto que descentraliza os ressarcimentos ao Sistema Único de Saúde – SUS (PLS nº 308/15). Visa alterar a Lei dos Planos de Saúde, a fim de permitir que estados e municípios sejam diretamente ressarcidos pelos planos quando o atendimento de seus usuários se der na rede do SUS em estabelecimentos a eles vinculados.

Também consta da lista a PEC nº 61/15, que possibilita que emendas parlamentares individuais ao projeto de lei do Orçamento anual aloquem recursos diretamente aos Fundos de Participação dos Estados e dos Municípios, indicando o ente federativo a ser beneficiado. Os recursos seriam repassados independentemente de convênio.

Por fim, há o PLS nº 390/15, que dispõe sobre compensação previdenciária. O projeto visa permitir que valores referentes à compensação financeira possam ser abatidos da dívida dos entes com a União.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais