politica

Governo deve priorizar projeto de ajuste na administração pública

Imprimir

Depois da Medida Provisória nº 792/17, que trata do Programa de Desligamento Voluntário (PDV), redução de jornada com redução de salário e licença não remunerada, o governo prepara a votação de um pacote com o objetivo de economizar e dar mais eficiência à administração pública.

Teto remuneratório

Pelo menos três matérias serão priorizadas neste segundo semestre, além da Reforma da Previdência, que também afeta os servidores públicos. Trata-se dos projetos de lei sobre teto remuneratório na administração pública federal e dispensa por insuficiência de desempenho, ambos em fase de votação final na Câmara dos Deputados, e do aumento da contribuição do servidor para o regime próprio de Previdência, que passaria de 11% para 14%, a ser enviado ao Congresso brevemente.

Para regulamentar o teto remuneratório da administração pública, conforme o inciso XI, §§ 9º e 11 da Constituição do artigo 37, existem dois projetos: os projetos de lei nº 3.123/15 e nº 6.726/16.

O PL nº 3.123/15, de autoria do Poder Executivo, está pronto para inclusão na pauta de plenário, inclusive com a fase de discussão já encerrada (no dia 24 de fevereiro de 2016), restando pendente de deliberação apenas a subemenda substitutiva global do então relator, deputado Ricardo Barros (PP-PR).

Já o PL nº 6.726/16, oriundo da Comissão do Extrateto do Senado, relatado pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), aguarda a designação de relator na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP).

Dispensa por insuficiência de desempenho

Para regulamentar a dispensa do servidor por insuficiência de desempenho, conforme o artigo 41, §1º, inciso III e artigo 247 da Constituição, existem também dois projetos: o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 248/98, e o PLP nº 116/17.

O PLP nº 248/98, de autoria do Poder Executivo, já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. Aguarda apenas a análise da Câmara sobre as alterações feitas pelos senadores. Depois, o texto segue à sanção presidencial.

Já o PLS nº 116/17, projeto de lei complementar de iniciativa da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), aguarda parecer do senador Lasier Martins (PSD-RS) no âmbito da Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJ). A matéria estabelece que será exonerado o servidor público estável que receber quatro conceitos sucessivos de desempenho negativo ou cinco interpolados nas últimas dez avaliações.

Disputa por receitas

Passada a denúncia contra o presidente Michel Temer, o governo volta suas atenções para fechar as contas. A equipe econômica corre contra o tempo para garantir receitas extras que cubram parte do rombo orçamentário deste ano e amenizem a ampliação do déficit fiscal. Assim, a partir desta semana a Câmara dos Deputados pode analisar medidas provisórias de grande importância, mas que envolvem forte disputa com empresários.

A Câmara deixou caducar a MP nº 774/17, que acabaria com o benefício da desoneração da folha de pagamento das empresas. Ficou mantido o atual regime de cobrança da contribuição previdenciária patronal em pequenos percentuais sobre a receita bruta, o que é mais vantajoso para as empresas que o antigo sistema, no qual incide o recolhimento de 20% sobre a folha. O governo pretende voltar ao assunto em 2018.

Refis

O Refis é outra medida com que o governo conta para aumentar receitas. A Câmara deve iniciar nos próximos dias a análise da MP nº 783/17, gerando outro embate. O texto da MP foi aprovado na comissão bastante alterado, com várias bondades direcionadas aos empresários que quiserem aderir à renegociação de dívidas tributárias com a Receita e a Procuradoria da Fazenda Nacional (PGFN). Isso reduziu bastante a capacidade de arrecadação da proposta. Como no caso anterior, o governo também tentará reverter as perdas.

E, com toda certeza, esse trabalho de correr atrás do prejuízo se repetirá no caso de outras MPs, como a de nº 783/17, que cria o Refis das autarquias; e a 793/17, recém-editada, que renegocia os débitos de produtores rurais com a Receita e PGFN. Da mesma forma, por pressão do empresariado, essas medidas deverão ser muito desidratadas.

Vencer essa queda de braço com o setor produtivo não será uma das tarefas mais fáceis para o governo. Mesmo tendo ganho a batalha da denúncia contra o presidente Michel Temer, não há ambiente favorável para o Planalto impor mais sacrifícios aos empresários, especialmente após o aumento do PIS-Cofins sobre os combustíveis, que provoca impacto sobre toda a cadeia produtiva.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais