politica

Governo insiste na Previdência

Imprimir

A votação da Reforma da Previdência na Câmara foi agendada para a próxima semana. O governo ainda não conta com os 308 votos necessários para aprovar a proposta, mas espera obtê-los até o dia 18. A tarefa é difícil, pois ainda há muita resistência na base e a próxima semana é a última antes do recesso legislativo.

Há no Congresso quem defenda que o governo restrinja ainda mais o escopo da reforma. Hoje o texto engloba idade mínima, regra de transição e equiparação entre servidores públicos e privados. A sugestão é aprovar apenas a idade mínima. A Fazenda não concorda.

Apenas PMDB, PTB e PPS, num total de 85 deputados, decidiram fechar questão a favor da reforma. As outras siglas não devem seguir esse caminho, embora prometam apoio da maioria de suas bancadas.

TENDÊNCIA: Chance de aprovação permanece em 45%

Confaz discute convalidação dos benefícios fiscais

Na sexta-feira (15), o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) discute a convalidação dos benefícios fiscais concedidos pelos estados sem a aprovação do colegiado. A convalidação está prevista na Lei Complementar nº 156/16. Ela deu 180 dias para que o Confaz convalide os benefícios, o que significa que o conselho terá que apontar, até fevereiro, quais são os incentivos válidos de cada estado.

A minuta do documento está praticamente pronta e agora precisa obter aprovação de pelo menos dois terços dos estados. Esse total deverá ser distribuído nacionalmente, com pelo menos um terço dos estados de cada região concordando com a concessão.

Os estados do Sudeste querem mudar o prazo para o fim dos incentivos. Rio, São Paulo e Minas defendem a redução gradual dos benefícios, ao longo de 15 anos. Na última reunião (23/11), o Confaz analisou a questão e não houve acordo. O Amazonas pediu tempo para analisar o assunto.

TENDÊNCIA: Adiamento da decisão

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais