dilma

Todo poder ao Congresso

Imprimir

Apenas um leigo na política acredita que haverá um governo “Temer”. Talvez o mesmo desavisado que acreditou em um governo “Itamar”.

MIchel Temer não irá assumir a cadeira da Presidência
MIchel Temer não irá assumir a cadeira da Presidência

O impeachment só ocorre quando há, entre Legislativo e Executivo, um acordo de governo de coalizão. Para que o legislativo derrube um presidente da República, seja ele quem for, é exigido do futuro presidente a unificação do país.

Na prática, unificar o país significa recolher todas as cartas que foram usadas e redistribuir o baralho, beneficiando os dois terços ou quatro quintos que promoveram a mudança.

Itamar foi muito feliz na sua oportunidade. Estabilizou a moeda, começou o real, reduziu a hiperinflação.

O que esperar do governo Temer?

O que virá com Temer é impossível dizer. Ele tem a vantagem de não pegar um país na situação que Itamar pegou. Estamos em crise política, não em crise econômica. Imagino que muita gente discordará dessa afirmação, mas é a realidade. Repare que não há crise econômica em nenhum dos nossos parceiros comerciais. O Brasil é um dos poucos países da América do Sul que está em recessão.

A crise econômica é resultado da falta de governabilidade. Os investidores não têm confiança que o atual governo consiga promover reformas necessárias e estas reformas dependem basicamente do Congresso, logo, a crise econômica é derivada da crise política.

Não duvido que o dólar caia a R$ 3,20 na primeira semana, ou que chegue a R$ 3 em um mês. Basta o mercado acreditar que Temer quer ordem na casa.

A verdade é que Dilma muito prometeu, mas esqueceu de combinar com os russos. Para quem não conhece a expressão, reza a lenda que na copa de 58 o técnico fez uma preleção em que o Brasil venceria facilmente o time da Rússia, eis que Garrincha solta a pérola: “então treinador, tudo bem, mas você combinou com os russos?”.

Dilma seguiu fazendo e desfazendo, sem dar a importância devida para um fator essencial no presidencialismo: a política.

Ser presidente do Brasil não é a mesma coisa que ser dono de uma empresa. É mais de R$ 1 trilhão de orçamento, que deve ser executado com habilidade econômica e política.

Fernando Henrique e Lula foram políticos. Tenho críticas severas aos dois como governantes, mas desse aspecto nenhum dos dois descuidou. Ambos tinham na Câmara e no Senado, pontos importantes de apoio.

Dilma fez pouco caso de tudo. Colocou-se acima de qualquer um. Queimou ex-aliados, explodiu pontes e mandou recados mal educados a pares.

Não é Temer que está assumindo a cadeira. É o Congresso. O mesmo que fora ignorado pelo presidente da República. O mesmo que sabe que sem ele não há governo. O mesmo que hoje diz “tchau, querida”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A fragmentação da esquerda


Manuela d’Ávila, Ciro Gomes, Marina Silva a pulverização da esquerda não interessa ao PT pois fragiliza a candidatura de Lula, caso consiga ser candidato. E há ainda parte do eleitorado de Lula que votaria em Bolsonaro caso Lula não concorresse à presidência em 2018.

Ler mais