agenda-politica-brasileira

Greve geral

Imprimir

Os principais eventos desta sexta-feira são os seguintes:

1. O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, faz palestra no evento “Finanças +” promovido pelo Grupo Estado (São Paulo). À tarde, no Rio de Janeiro, Ilan terá reunião com Gabriel Srour e Armínio Fraga, sócios da Gávea Investimentos, e também com o presidente do Conselho Consultivo Internacional do Banco Itaú, Pedro Malan, e o membro do Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Garças Edmar Bacha.

2. Entidades sindicais promovem greve geral contra as reformas do governo de Michel Temer.

3. A Federação Única dos Petroleiros (FUP) fazem greve por tempo indeterminado.

4. O Banco Central divulga o resultado das contas do setor público consolidado em maio.

5. O IBGE divulga Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), que mostra o desemprego no trimestre encerrado em maio.

Aprovação da reforma trabalhista no senado

Para garantir a aprovação da Reforma Trabalhista no Senado, o governo se comprometeu a vetar pontos polêmicos, como o trabalho intermitente, jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis de descanso, participação sindical na negociação coletiva, trabalho insalubre para gestantes, insalubridade e negociação coletiva, dano extra-patrimonial e autônomo em trabalho exclusivo.

Em seguida, será editada uma medida provisória. O BPB teve acesso a um texto que está em negociação entre o governo e entidades sindicais. Acesse o texto provisório da MP.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais