economia

A dura tarefa de aumentar impostos

Imprimir

No corte de R$ 42 bilhões no Orçamento anunciado pela equipe econômica na quinta-feira passada (30), o aumento de tributos ficou restrito ao Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para cooperativas de crédito.

Embora o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, reconheça que a intenção do governo é evitar o aumento de impostos, isso poderá ocorrer se a previsão de receitas não garantir a meta fiscal de déficit de R$ 139 bilhões.

Assim, sob o ponto de vista da equipe econômica, o aumento de impostos seria uma medida amarga, mas necessária para evitar que a situação fiscal se agrave. Porém, politicamente, essa decisão pode trazer prejuízos, sobretudo para a popularidade do governo Michel Temer, que já é baixa.

Segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada na última sexta-feira (31), a área de impostos é a mais mal avaliada do governo (conta com 85% de desaprovação). De acordo com a sondagem, apenas 11% dos entrevistados aprovam a atuação do governo nesse tema.

Ou seja, o aumento de tributos precisará ser muito bem analisado pelo governo antes de adotado. Além da histórica oposição do setor empresarial ao tema, há o risco de Temer perder ainda mais pontos junto à opinião pública.

Outras reformas

O governo até o momento vem conseguindo uma série de vitórias no Congresso Nacional. Conseguiu aprovar a PEC do teto dos gastos e a Lei da Terceirização. No entanto, quanto mais se aproximam as reformas trabalhista e da previdência mais tensas ficam as negociações.

Segundo levantamento do jornal O Estado de São Paulo, mesmo com as regras mais brandas, se a votação fosse hoje a reforma da previdência não passaria. O Jornal ouviu 436 deputados, 85% da Câmara. Além dos 251 parlamentares contrários à proposta, 95 disseram que são favoráveis ao texto, ainda que com alguma ressalva; 35 estão indecisos; 54 não quiseram responder; e 1 se absteve. 77 deputados não foram encontrados.

O Estadão divulgou o Placar da Previdência para acompanhar dia a dia a evolução da proposta na Câmara.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais

A lógica do paternalismo e o Estado controlador


A influência que a esquerda exerce sobre as redações, a academia e o mundo artístico propaga conceitos ideológicos como se fossem verdades certificadas. Quem discorda é patrulhado por “especialistas” arregimentados pela mídia em geral – que, mais das vezes, busca quem confirme sua tese.

Ler mais