economia

A dura tarefa de aumentar impostos

Imprimir

No corte de R$ 42 bilhões no Orçamento anunciado pela equipe econômica na quinta-feira passada (30), o aumento de tributos ficou restrito ao Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para cooperativas de crédito.

Embora o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, reconheça que a intenção do governo é evitar o aumento de impostos, isso poderá ocorrer se a previsão de receitas não garantir a meta fiscal de déficit de R$ 139 bilhões.

Assim, sob o ponto de vista da equipe econômica, o aumento de impostos seria uma medida amarga, mas necessária para evitar que a situação fiscal se agrave. Porém, politicamente, essa decisão pode trazer prejuízos, sobretudo para a popularidade do governo Michel Temer, que já é baixa.

Segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada na última sexta-feira (31), a área de impostos é a mais mal avaliada do governo (conta com 85% de desaprovação). De acordo com a sondagem, apenas 11% dos entrevistados aprovam a atuação do governo nesse tema.

Ou seja, o aumento de tributos precisará ser muito bem analisado pelo governo antes de adotado. Além da histórica oposição do setor empresarial ao tema, há o risco de Temer perder ainda mais pontos junto à opinião pública.

Outras reformas

O governo até o momento vem conseguindo uma série de vitórias no Congresso Nacional. Conseguiu aprovar a PEC do teto dos gastos e a Lei da Terceirização. No entanto, quanto mais se aproximam as reformas trabalhista e da previdência mais tensas ficam as negociações.

Segundo levantamento do jornal O Estado de São Paulo, mesmo com as regras mais brandas, se a votação fosse hoje a reforma da previdência não passaria. O Jornal ouviu 436 deputados, 85% da Câmara. Além dos 251 parlamentares contrários à proposta, 95 disseram que são favoráveis ao texto, ainda que com alguma ressalva; 35 estão indecisos; 54 não quiseram responder; e 1 se absteve. 77 deputados não foram encontrados.

O Estadão divulgou o Placar da Previdência para acompanhar dia a dia a evolução da proposta na Câmara.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Reflexões sobre tendências do próximo Congresso


Salvo mudanças inesperadas no humor do eleitorado, a tendência será de reeleição entre 60% e 70% da atual Câmara dos Deputados – um dos mais altos das sete últimas eleições – o que poderá levar para a próxima legislatura as práticas e os vícios da atual composição legislativa.

Ler mais

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais