reformas

Acordo pelo emprego

Imprimir

Com o estouro da bomba JBS, a Câmara dos Deputados está em vias de decidir se Michel Temer será julgado pelo STF centrado na figura do presidente da República, e, ao contrário do evento Dilma, totalmente dividido em relação ao assunto. Como serão precisos 342 votos, quórum obviamente difícil de obter nessas condições, a menos que houvesse um clamor geral da sociedade por isso, Temer deve vencer. Só que será algo que causará bastante instabilidade econômica no Brasil, e que, conforme ameaça do procurador-geral, poderá se repetir com novas denúncias, levando a mais do mesmo.

Entretanto, sem um acordo de governabilidade, a instabilidade gerada pela bomba JBS tenderá a produzir consequências dramáticas para o funcionamento da economia, especialmente para as camadas menos favorecidas. Como se dá isso?

Incerteza e instabilidade

Ao aumentar a incerteza, desestimulam-se tanto os gastos de investimento como os de consumo, e, portanto, produz-se recessão. E logo agora, quando estávamos saindo daquela que pode ter sido a maior de nossa história, com tantos desempregados!

Nesses termos, sem contar com a aprovação rápida de uma reforma que flexibilize o regime político, cabe preservar não a pessoa Michel Temer, mas pactuar um mecanismo de proteção da figura do presidente da República, a fim de evitar tanta instabilidade.

E, por baixo dela, cabe dar força a uma equipe de ministros (não necessariamente a mesma de hoje) que toque o barco até a fase final da travessia com o apoio dos partidos da base de sustentação. Não foi exatamente isso que ocorreu nos últimos anos do governo Sarney?

A incerteza entre os agentes econômicos campeia, porque, mesmo que Temer escape na primeira rodada, não há garantia de que escape na segunda ou na terceira, e que o mesmo não aconteça depois com um sucessor. Sendo assim, é melhor segurar as decisões mais duradouras de gasto até esse processo se encerrar.

Ajuste de curso econômico

Quanto à espécie de “novo gabinete” que deveria surgir, particularmente em relação à equipe econômica, que é bem vista pelos mercados, não há por que mudá-la, mas correções de curso de algumas ações ou posturas deveriam ser feitas. A que afeta diretamente a equipe se refere ao tratamento equivocado da crise financeira estadual, que ainda pode explodir com força em vários locais, trazendo um novo e desnecessário desgaste numa fase em que qualquer coisa desse tipo deveria ser minimizada.

O governo deveria também organizar melhor sua atuação na área de investimentos em infraestrutura, que tem deixado a desejar. Reina um temor incompreensível das reações do TCU a decisões de política pública cabíveis apenas ao Executivo, o que gera adiamento de investimentos na hora em que são mais necessários.

Aprovação das Reformas

A aprovação da Reforma Trabalhista no Senado é um resultado que deve ser creditado principalmente a Temer, que ganhará mais força no processo de desgaste em curso. Agora, o governo deveria reunir novamente a “tropa de choque” das reformas na Câmara, onde desponta o trabalho pouco conhecido de parlamentares de alto nível, como o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS).

Trata-se, então, de redefinir uma “reforma da Previdência” adaptada às novas condições políticas, pois sem isso a questão crucial a ser atacada – o ajuste fiscal – ficará sem pai nem mãe, na figura da PEC do Teto, que prevê crescimento dos gastos não-financeiros federais limitado pela taxa de inflação, algo que sem essa reforma se tornará aos poucos impossível.

Em síntese, é preciso que haja um acordo de alto nível, em que eventuais denúncias contra o presidente tenham tramitação adiada para depois do mandato, quando sua apreciação se dará num ambiente menos tumultuado pelo calor do momento político recente e sem qualquer risco de paralisia do alto escalão. Esse é o único caminho para viabilizar a urgente retomada do crescimento econômico e da absorção dos milhares de desempregados que vagam pelo País.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais