personagem

Personagem da semana: Jorge Picciani – a queda do primeiro ministro do RJ

Imprimir

O deputado estadual Jorge Picciani, presidente do PMDB-RJ e presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), é considerado o primeiro ministro do RJ, dada sua influência dentro do partido e no estado fluminense. Aliado do ex-governador Sérgio Cabral e do atual governador Luiz Pezão (PMDB-RJ), está negociando com o governo federal o plano de recuperação das finanças do Estado, que se encontra em completa bancarrota. O deputado também é pai, de Leonardo Picciani, ministro do Esporte. Esta semana, Jorge Picciani foi levado em condução coercitiva pela polícia federal para esclarecimentos sobre um suposto esquema de corrupção dentro do Tribunal de Contas do Estado. Veja sua presença nas redes sociais:

Jorge Picciani

Facebook

No seu perfil, o deputado divulga informações e imagens de seu trabalho na Alerj. Nesta quinta-feira (30) divulgou um vídeo do seu pronunciamento sobre o depoimento prestado à PF.

Twitter

No microblog o deputado faz postagens sobre o trabalho na Alerj e sobre assuntos de importância para o Estado.

 

Site

Na página oficial de Jorge Picciani um perfil sobre sua carreira política, notícias e informações sobre projetos e leis propostos pelo deputado.

Jorge Picciani

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais