brasil-politica

Justiça tem que ser para todos

Imprimir

Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Da estabilidade econômica aos programas sociais, passando por projetos que converteram em leis mudanças drásticas nos costumes. Da saúde convalescente à educação sempre reprovada, passando pela corrupção catapultada à casa dos bilhões.

Para o bem e para o mau, o Brasil que adentrou o século XXI tem as digitais daquelas três agremiações. As demais siglas foram coadjuvantes.

As eleições de 2018 dirão se o trio continuará protagonista ou não. Porém, a sujeira que esparramaram ao transformarem militantes partidários em meliantes do erário é igualmente inapagável.

Todos no mesmo barco

Graças à Lava-Jato, parte dos larápios que roubaram bilhões de dinheiro do público estão sendo conduzidos ao cárcere. Pela primeira vez na história tupiniquim, a elite branca e rica foi condenada por corrupção.

A prisão do camarada José Dirceu tem o gosto acre para uma geração que quis mudar o mundo. Ao lado de Lula e Antonio Palocci, Dirceu teve papel decisivo nos rumos do Brasil contemporâneo.

O PT, porém, não caiu de gaiato neste navio licencioso. Caiu porque roubou e deixou roubar. A Ação Penal 470 e a Lava-Jato demonstraram isto à larga.

A história das últimas três décadas, no entanto, não foi escrita sozinha pela sigla que representara a esperança de que a política podia ser exercida com retidão. MDB e PSDB também forjaram o Brasil que ora vivenciamos.

O tanto que cada uma destas siglas depenou o erário ainda está sendo contabilizado. Mas as três, já evidenciou a Lava-Jato, exerceram forte protagonismo nos malfeitos com os cofres públicos.

Até aqui, procuradores e juízes têm se mostrado ágeis para trancafiar petistas. Quando o alvo são emedebistas e tucanos, porém, o ritmo tem sido a tradicional vagareza do Ministério Público e do Judiciário.

Senão, vejamos. Paulo Preto, tido como operador tucano, e Milton Lyra, símile do MDB, foram libertados quando ofereciam risco de delatarem tucanos e emedebistas graúdos.

Os cardeais tucanos Geraldo Alckmin e Aécio Neves, entre os suspeitos da Lava-Jato, não parecem ameaçados pela sanha justiceira dos promotores. O também tucano Eduardo Azeredo, em que pese a condenação e um processo de mais de uma década, permanece livre das grades.

Ivo Cassol, este do PP, mesmo condenado, livrou-se da prisão. E, claro, nada se compara à caterva do MDB, de extensa folha corrida. Sobre ela, não paira nenhuma ameaça no horizonte próximo.

Procissão medonha

Se quer ser justa, a Justiça deveria vergastar a todos com o mesmo chicote. Do contrário, ela apenas ratifica de maneira pejorativa a máxima – cada juiz, uma sentença – no lugar da “igualdade e a justiça como valores supremos” inscrito no preâmbulo constitucional.

Que não se espere isenção de juízes. Somente o fato de terem eles a discricionariedade de decidir quem e quando julgar já lhes desnuda qualquer aura de imparcialidade.

Mas, caso estejam imbuídos de espírito republicano, é hora de mexer com outros larápios. Tirante crédulos e nefelibatas, ninguém crê que o     PT roubou sozinho – como atestado pela Lava-Jato.

A sanha de procuradores e juízes no encalço do PT exibiu em praça pública um santo do pau oco. Nesta procissão medonha, de explícito despudor moral, há outros santos igualmente ocos de caráter.

A Justiça pode parar por aqui e satisfazer parte da ânsia vingadora do povaréu. Mas, se quiser ser respeitada, ela terá que seguir em frente e julgar outros meliantes do erário igualmente perniciosos aos cofres públicos.

Só assim imporá respeito a políticos de todos os matizes. E, quem sabe, poderá dissipar a imagem de que a Justiça não é cega, mas caolha.

Com um olho, lanceia desafetos. Com o outro, encobre apaniguados.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais