brasil-politica

Justiça tem que ser para todos

Imprimir

Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Da estabilidade econômica aos programas sociais, passando por projetos que converteram em leis mudanças drásticas nos costumes. Da saúde convalescente à educação sempre reprovada, passando pela corrupção catapultada à casa dos bilhões.

Para o bem e para o mau, o Brasil que adentrou o século XXI tem as digitais daquelas três agremiações. As demais siglas foram coadjuvantes.

As eleições de 2018 dirão se o trio continuará protagonista ou não. Porém, a sujeira que esparramaram ao transformarem militantes partidários em meliantes do erário é igualmente inapagável.

Todos no mesmo barco

Graças à Lava-Jato, parte dos larápios que roubaram bilhões de dinheiro do público estão sendo conduzidos ao cárcere. Pela primeira vez na história tupiniquim, a elite branca e rica foi condenada por corrupção.

A prisão do camarada José Dirceu tem o gosto acre para uma geração que quis mudar o mundo. Ao lado de Lula e Antonio Palocci, Dirceu teve papel decisivo nos rumos do Brasil contemporâneo.

O PT, porém, não caiu de gaiato neste navio licencioso. Caiu porque roubou e deixou roubar. A Ação Penal 470 e a Lava-Jato demonstraram isto à larga.

A história das últimas três décadas, no entanto, não foi escrita sozinha pela sigla que representara a esperança de que a política podia ser exercida com retidão. MDB e PSDB também forjaram o Brasil que ora vivenciamos.

O tanto que cada uma destas siglas depenou o erário ainda está sendo contabilizado. Mas as três, já evidenciou a Lava-Jato, exerceram forte protagonismo nos malfeitos com os cofres públicos.

Até aqui, procuradores e juízes têm se mostrado ágeis para trancafiar petistas. Quando o alvo são emedebistas e tucanos, porém, o ritmo tem sido a tradicional vagareza do Ministério Público e do Judiciário.

Senão, vejamos. Paulo Preto, tido como operador tucano, e Milton Lyra, símile do MDB, foram libertados quando ofereciam risco de delatarem tucanos e emedebistas graúdos.

Os cardeais tucanos Geraldo Alckmin e Aécio Neves, entre os suspeitos da Lava-Jato, não parecem ameaçados pela sanha justiceira dos promotores. O também tucano Eduardo Azeredo, em que pese a condenação e um processo de mais de uma década, permanece livre das grades.

Ivo Cassol, este do PP, mesmo condenado, livrou-se da prisão. E, claro, nada se compara à caterva do MDB, de extensa folha corrida. Sobre ela, não paira nenhuma ameaça no horizonte próximo.

Procissão medonha

Se quer ser justa, a Justiça deveria vergastar a todos com o mesmo chicote. Do contrário, ela apenas ratifica de maneira pejorativa a máxima – cada juiz, uma sentença – no lugar da “igualdade e a justiça como valores supremos” inscrito no preâmbulo constitucional.

Que não se espere isenção de juízes. Somente o fato de terem eles a discricionariedade de decidir quem e quando julgar já lhes desnuda qualquer aura de imparcialidade.

Mas, caso estejam imbuídos de espírito republicano, é hora de mexer com outros larápios. Tirante crédulos e nefelibatas, ninguém crê que o     PT roubou sozinho – como atestado pela Lava-Jato.

A sanha de procuradores e juízes no encalço do PT exibiu em praça pública um santo do pau oco. Nesta procissão medonha, de explícito despudor moral, há outros santos igualmente ocos de caráter.

A Justiça pode parar por aqui e satisfazer parte da ânsia vingadora do povaréu. Mas, se quiser ser respeitada, ela terá que seguir em frente e julgar outros meliantes do erário igualmente perniciosos aos cofres públicos.

Só assim imporá respeito a políticos de todos os matizes. E, quem sabe, poderá dissipar a imagem de que a Justiça não é cega, mas caolha.

Com um olho, lanceia desafetos. Com o outro, encobre apaniguados.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais

Série Eleições 2018 – leitura crítica da mídia no processo eleitoral


Os meios de comunicação – jornal, revista, rádio, TV, blogs ou redes sociais via internet – cumprem um papel fundamental na democracia, de um lado, porque fiscalizam os agentes públicos e privados e, de outro, porque fazem a mediação entre sociedade e governo, além de promoverem o entretenimento. O ideal é que esse serviço de utilidade pública seja prestado com isenção e equilíbrio. Entretanto, por escassez de tempo ou para tornar a notícia mais atraente, quase sempre os veículos de comunicação tratam apenas de uma parte do problema ou fazem um recorte que favoreça o ponto de vista ou interesse do redator, do repórter, do editor, da direção ou do proprietário do veículo de comunicação. Nessa perspectiva, não existe imprensa ou veículo absolutamente imparcial. Em regras, os temas são mostrados sob determinada ótica, até porque ela é quem escolhe as fontes que deseja ouvir. A cobertura da mídia, de um modo geral, prioriza a crítica, a notícia negativa ou a polêmica. Entre veicular uma notícia positiva que não empolgue ou denunciar um escândalo, a segunda opção será priorizada. A imprensa, muitas vezes a serviço do establishment (classe dominante), influencia na divulgação da realidade e dos fatos ao selecionar suas fontes oficiais e institucionais e, principalmente, o modo de abordagem dos fatos que considera relevantes. Ao promover o recorte que lhes interessa, os meios de comunicação participam da construção da realidade e, muitas vezes, fazem com que a sociedade acolha como suas as prioridades da imprensa. A mídia, segundo o historiador estadunidense Bernard Cohen[1], influencia a estruturação do pensamento e, muitas vezes, organiza os fatos de um modo tal que, em lugar de ensinar as pessoas a refletirem, conduzem-nas sobre o que pensar. Como as pessoas agem pelo que leem ou escutam, principalmente nas rádios e televisões (e mais recentemente na […]

Ler mais