clipping-politica-brasileira

Leitura Obrigatória: Rio de Janeiro, a nova capital da Lava-Jato

Imprimir

As investigações desenvolvidas pela força tarefa da Lava-Jato em Curitiba foram praticamente concluídas e o Rio de Janeiro surge como nova capital dos delatores da operação. A delação do doleiro Álvaro Novis, da Hoya Corretora, que trabalhava para a Odebrecht, é apenas uma das armas que a força-tarefa fluminense têm na manga. Pelo menos outras 4 importantes negociações estão em andamento e prometem novas fases de turbulência no mundo político

Anúncio da meta fiscal adiado

Estava previsto para hoje o anúncio da revisão das metas fiscais de 2017 e 2108 fossem revistas para um déficit primário de R$ 159 bilhões. No entanto, a ala política do governo decidiu insistir com o presidente Michel Temer que o rombo precisa ser maior e o anúncio dos novos números, que estava previsto para esta segunda-feira, foi adiado. 

Com informações do Estadão e O Globo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais