politica

Limite

Imprimir

A banalização dos desvios financeiros em níveis absurdamente elevados anestesiaram os brasileiros. Mas, depois de boa temporada na cadeia, a maioria dos acusados abre a boca para denunciar a extensão e a profundidade da corrupção organizada e sistêmica que funcionou no Brasil nos últimos anos. Os ladrões devolvem recursos na ordem de milhões de dólares com a maior naturalidade. Caixa dois é atividade comum e usual na matemática eleitoral brasileira.

A partir do caixa dois os políticos evoluíram para coletar percentagens de grandes obras e tratar do enriquecimento próprio. Aí surge a estranha figura do operador, que nada mais é que um intermediário. Cada um trabalha com o de sua total confiança. Apesar da segurança das operações, com os departamentos de propina devidamente estruturados, houve corrupção na corrupção. Como o dinheiro não é contabilizado, nem fiscalizado, é só meter a mão na mala e tirar algum. Ou prometer dez e entregar cinco. Ninguém pode reclamar.

Lula x Moro

O depoimento do presidente Lula perante do juiz Sérgio Moro foi, antes de tudo, um encontro emblemático. Décadas atrás, o ex-presidente Juscelino Kubitschek foi levado à presença de investigadores militares dispostos a encontrar algum tipo de desvio financeiro na conduta dele. Não descobriram nada. JK foi para o exílio e depois retornou ao Brasil para visitar o sítio que mantinha nas vizinhanças de Brasília. Lula, ao contrário, foi citado publicamente para responder inquérito sobre a possível ocultação de patrimônio no episódio do imóvel, o chamado tríplex, numa praia paulista. O ex-presidente foi tratado de maneira correta pelo juiz Sérgio Moro. A política naquele momento descobriu um limite.

A fotografia do encontro vai abalar os fundamentos do Congresso Nacional e as práticas da política em todo território nacional. Roubar passou a ser atividade de altíssimo risco. Veja-se as pesadas sentenças de reclusão de poderosos diretores da Petrobras. Nenhum deles ficará menos de dez anos atrás das grades. A única possibilidade de passar menos tempo vendo o sol nascer quadrado é a delação. Por um ou outro caminho, a vida profissional acaba. E não raro a vida familiar desmorona. Os riscos são imensos. Fazer política aqui passou a ser atividade de alta periculosidade. Os limites estão dados.

O Brasil passa por um momento semelhante ao que experimentaram as principais cidades norte-americanas na época da lei seca. Quem tinha dinheiro, na época, conseguia bebida de boa procedência. Quem não tinha produzia a sua própria cachaça e a vendia nos botequins, chamados de speakeasy. A criminalidade explodiu nas grandes cidades porque a corrupção ceifou verbas que deveriam ser destinadas à segurança. É o que ocorreu em Manaus, em Natal, em Vitória e no Rio de Janeiro. Tudo o que o governo federal conseguiu foi enviar 300 soldados para auxiliar na segurança dos cariocas. Este é o número empregado no estádio do Maracanã em dias de grandes jogos. Não é nada na defesa da cidade.

Crise generalizada ofusca governo Temer

A retórica forte, baseada em certezas ideológicas, teve seu tempo. Fracassou completamente. Desindustrializou, provocou violenta, severa e grave onda de desemprego, desconectou o país dos principais centros de crescimento econômico, que saiu dos grandes mercados e afastou-se deliberadamente dos principais palcos da política internacional. Os fundos de pensão foram assaltados de maneira sistemática. Nenhum deles está em posição segura. Todos foram violentamente abalados. E, recentemente, a Caixa Econômica Federal foi obrigada a reduzir financiamentos imobiliários porque os recursos do FGTS não mais são suficientes.

A presença de Lula na frente do juiz Sergio Moro revela tudo isso. É a grande tragédia brasileira. O desastre de proporções abissais. Depois da Copa do Mundo e das Olimpíadas, apareceu a verdade. Recessão, desemprego e rombos monumentais. Nada disso teria ocorrido se os principais protagonistas não tivessem, depois de hesitações, contado a história toda, ou quase toda. Negar ou pendurar a eventual responsabilidade em D. Mariza Letícia é ato covarde.

O governo Temer fica meio eclipsado pela poderosa torrente de notícias da lava jato. As reformas caminham e o presidente precisa fazer concessões, distribuir ministérios para aprovar o que pretende. Temer quer terminar quase tudo antes do recesso de meio de ano do Congresso. E o ano de 2018 será curtíssimo. Cada um com seus problemas. O de Temer é correr com as reformas e protelar a decisão do TSE. O de Lula, retardar ao máximo a sentença de Moro que pode impedir sua candidatura à presidência. Difícil prever o que será do Brasil a partir de 2019.

Publicado no Correio Brasiliense em 13/05/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais