politica

Hora do Supremo

Imprimir

Quando encerou a sua palestra no evento Brasil Futuro, promovido pela Arko Advice e Consulting House em São Paulo no início de junho, o ministro Luiz Fux afirmou que o Judiciário não faltará ao Brasil “nestes momentos de dor” e que “o Judiciário vai levar o Brasil ao porto, e, não, ao naufrágio”.

Ainda sob o calor da decisão do TSE  em poupar o mandato de Michel Temer, a declaração de Fux se revestia de importância ainda maior. Sabia da imensa agenda que irá desabar sobre ele e seus colegas no STF no segundo semestre.

Quem sobreviverá para 2018?

Imaginem, em meio a uma das mais graves crises políticas do país, como o STF irá agir com relação a uma nova leva de denúncias contra importantes lideranças? Haverá pedidos de prisão? Parlamentares vão ser afastados do exercício do mandato?  Quais desdobramentos irão ocorrer com as investigações que envolvem as demais lideranças no Congresso? Prosseguirão em ritmo lento?  Quem sobreviverá elegível para a disputa de 2018?

E a eventual denúncia de Janot contra Temer? Como será processada? Será consistente o suficiente para prosseguir e chegar à Câmara dos Deputados? As dúvidas sobre as circunstâncias da delação de Joesley Batista serão esclarecidas? Como as eventuais novas delações vão impactar o ambiente?  Como conciliar o debate sobre as reformas em um ambiente tumultuado por denúncias?

São questões demais e tempo de menos para serem respondidas de forma simples e direta. É certo considerar que o STF terá um papel crítico no segundo semestre e cujas repercussões serão intensas sobre a sucessão presidencial em 2018. A degradação da política impõe ao Judiciário um papel nunca antes visto em nosso país.  E, por um bom tempo, será assim.

Publicado no Blog do Noblat em 15/06/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Reflexões sobre tendências do próximo Congresso


Salvo mudanças inesperadas no humor do eleitorado, a tendência será de reeleição entre 60% e 70% da atual Câmara dos Deputados – um dos mais altos das sete últimas eleições – o que poderá levar para a próxima legislatura as práticas e os vícios da atual composição legislativa.

Ler mais

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais