eleicoes-2018

Lula e previdência pautarão eleição de 2018

Imprimir

O ano de 2018 marcha para se tornar um marco na vida política do Brasil. Mesmo que a alternativa seja aprovar a continuidade do modelo que jogou o País na maior recessão de sua história.

Como o ex-ministro Pedro Malan registrou no Estadão de domingo, 14, “o ano de 2018 será absolutamente crucial para o Brasil e para seu futuro”. “Não apenas para o quadriênio 2019-2022, mas para muito além“, completou.

Desde 1985, quando os militares deixaram o poder central e os civis assumiram as rédeas do País, experimentamos avanços importantes. O mais expressivo, provavelmente, são os 33 anos de democracia ininterrupta.

Houve, ainda, avanços sociais (sobretudo na era Lula) e nos costumes (neste caso, acompanhamos as mudanças mundo afora). Aprendemos também que economia não pode ser tratada com voluntarismo (era Fernando Henrique Cardoso, principalmente).

Tudo que avançamos, tudo que retrocedemos deveu-se sobretudo aos únicos partidos brasileiros expressivos que são mais do que amontoados de interesses paroquiais: PT e PSDB. Satanizar um e outro é coisa de seguidores de seitas. Não cabe em análise distanciada.

A diferença para as demais siglas (tirante nanicos ideológicos) estriba-se em que ambos têm uma visão de Estado. Pode-se discordar, mas os irmãos siameses PT e PSDB propugnam um tipo de Brasil que pressupõem mais adequado.

 

PT & PSDB: protagonismo

Três aspectos, porém, deslustram as duas siglas como protagonistas de uma nova era. Primeiro, as maracutaias sistêmicas em que se meteram, jogando-as na vala comum da política patrimonialista.

Segundo, a incapacidade de pensar conforme os novos tempos – apegando-se, sobretudo o PT, a paradigmas e conceitos gestados no século XVIII. A sociedade e a economia mudaram sobremaneira, mas algumas lideranças persistem em se valer de bases históricas inaplicáveis aos dias de hoje.

Basta comparar o começo e o fim do século XX. Mudanças tecnológicas, revolução de costumes e acesso à informação deixam os extremos dos 100 anos do século passado numa distância abismal.

Terceiro, ambos têm disfunções internas de difícil saneamento. Do lado do PSDB, a incapacidade de atuar com o mínimo de unidade necessária para voltar a governar um país.

Já o PT sofre da síndrome da dependência lulista. O partido quase sempre existiu como invólucro de Luiz Inácio Lula da Silva, em que pese a extensa capilaridade social da agremiação.

Sem ele, tem sua unidade ameaçada. Com ele, abre mão de convicções remanescentes para converter-se num grupo de seguidores de “nosso guia”.

Como a história é inexorável, é com este quadro que aportaremos no limiar de um novo Brasil. As forças políticas emergentes, como os direitistas e os liberais convictos, também serão colocadas à prova.

Bobagem tentar prever o que surgirá em outubro de 2018, quando 146 milhões de eleitores terão o direito de decidir o Brasil que querem a partir de 2019. Mas é possível analisar os cenários que antecedem o pleito.

 

Estado mínimo ou estatizante

Entre outros aspectos, é possível antever dois como preponderantes. A ubíqua participação de Lula e o debate sobre a reforma da previdência.

O ex-retirante nordestino, por mais que queiram seus detratores, terá um papel marcante. Candidato ou cabo eleitoral. Livre ou preso.

Sua resiliência é inigualável. Compará-lo a Getúlio Vargas não é equivocado. Os dois foram os maiores líderes de massa do Brasil.

Lula, no entanto, destaca-se por um detalhe essencial. Preservou em parte sua empatia popular num regime democrático e com a imprensa livre.

Nesta quarta, 24 de janeiro, os três sufetas da 8ª turma do TRF-4 de Porto Alegre decidirão como será a participação do petista nas eleições de 2018. Não terão, porém, o condão de afastá-lo dos embates eleitorais.

Mesmo a “esquerda” que não aprova a elasticidade aliancista de Lula depende dele para manter a esperança de voltar logo ao poder. Numa democracia, não há cela que contenha sua influência eleitoral. Se é capaz de vencer outro pleito, são outros quinhentos.

 

Já a reforma da previdência encerra o debate temático essencial. Qual o Estado que queremos?

Enquanto a chamada esquerda entende que somente o Estado gigamenso é capaz de promover igualdade de oportunidades, distribuição de renda e equidade social, a dita direita quer um Estado enxuto visando os mesmos fins. Este dilema nos emparelha com boa parte do mundo democrático.

Até que ponto o Estado deve interferir na vida dos cidadãos? Até onde a vontade do Estado deve prevalecer sobre a liberdade individual? Quão regulada deve ser uma sociedade? Como preservar o direito de livre empreender?

Assim, o bom confronto de 2018 não deve se limitar a debater o colossal déficit fiscal que engessa as ações do Estado brasileiro, do qual a previdência é um dos propulsores. Mas de escolher entre um Estado onipresente ou um Estado mínimo. Um Estado com muitas estatais ou um Estado que se concentra em cuidar da saúde, da educação e da segurança.

A presença de Lula nas eleições de 2018 é incontornável. Salvo se for trancafiado numa solitária das assépticas penitenciárias federais.

Já o Brasil que os eleitores querem para o porvir é o debate essencial que irá definir nosso rumo. Se vamos continuar na pasmaceira dos recorrentes voos de galinha ou partiremos para um País onde o crescimento econômico e o desenvolvimento social será o padrão, não a exceção.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais