eleicoes-2018

Lula testa 2018 em Manaus

Imprimir

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará o primeiro teste de suas chances para 2018 nos próximos dias, ao participar da campanha para governador do Amazonas. Ele subirá ao palanque para apoiar o deputado estadual do seu partido, José Ricardo, quarto colocado nas pesquisas.

Em maio, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o então governador José Melo por denúncia de corrupção e marcou eleição direta para completar o mandato. Os ex-governadores Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) – atual senador – saíram na frente, seguidos da deputada federal Rebecca Garcia (PP) e do petista José Ricardo.

O PT não tem eleitores no estado, mas Lula, sim, tendo ganho dois mandatos (2010/2006) e repetido o feito com Dilma Rousseff. No estado, o partido que recebeu os votos de seu prestígio foi o PMDB, de Eduardo Braga, que poderá repetir o feito agora num acordo para o segundo turno.

A força de Lula se mantém viva neste momento graças à aprovação de lei que enfraquece a Zona Franca de Manaus com apoio do governo Temer.

Depois da campanha no Amazonas, o ex-presidente fará uma série de viagens pelo Nordeste, no final de agosto, com o objetivo de fortalecer sua pré-candidatura e defender-se da condenação em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro. Começará pela Bahia, onde o PT tem a maior votação no Nordeste, com paradas em Salvador e no Recôncavo Baiano, e terminará no Maranhão, um mês depois.

Lula escolheu a região onde tem seus mais altos índices de popularidade como segunda escala da divulgação de sua pré-candidatura.

Trata-se de uma aposta para barrar os cenários imaginados pela oposição: tentativa de inviabilizar totalmente a candidatura do ex-presidente, com a sua condenação em segunda instância, e manutenção da campanha sub judice, criando dificuldades para a chapa do ex-presidente construir alianças.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais